Venezuela liberta mais de 40 oposicionistas em três dias
Publicado por

Venezuela liberta mais de 40 oposicionistas em três dias

AMÉRICA LATINA

Governo fala em gesto de reconciliação, mas ativista diz que objetivo é reduzir custos representados por detentos. Libertação de presos políticos é uma das condições apresentadas pela oposição em negociações com governo.

Eduardo Salazar, membro da polícia de Chacao, abraça colega após ser libertado na VenezuelaEduardo Salazar, membro da polícia de Chacao, abraça colega após ser libertado

Em três dias, 44 opositores do governo na Venezuela, presos após protestos, foram libertados por recomendação da Comissão da Verdade do país.

“Esta é a lista de 44 presos políticos libertados (com restrições) desde 23 de dezembro até agora”, publicou no Twitter o diretor-executivo da ONG venezuelana Fórum Penal, Alfredo Romero, nesta segunda-feira (25/12).

Leia também: Venezuela decide expulsar embaixador brasileiro

No sábado, a presidente da Assembleia Nacional Constituinte, que também lidera a Comissão da Verdade, Delcy Rodríguez, informou que o órgão recomendou à Justiça que mais de 80 detidos pelos protestos de 2014 e 2017 recebam medidas substitutivas de prisão, como trabalho comunitário.

Pouco depois, Rodríguez garantiu que vários dos presos passariam o Natal com as famílias, afirmação que começou a ser cumprida entre a noite de sábado e a madrugada de domingo. Ela disse se tratar de um gesto de “reconciliação”.

Romero, no entanto, ressaltou que as libertações equivalem a apenas 16% dos presos políticos, pois cerca de 280 permanecem detidos. Para o representante do Fórum Penal, ao governo do presidente Nicolás Maduro interessa reduzir o número de presos para diminuir os custos que eles representam.

Entre os libertados está Alfredo Ramos, prefeito de Irribarren, que foi presos em julho e recebeu uma pena de 15 meses de prisão.

Negociações para sair da crise

Em 2014 e em meados deste ano, a Venezuela foi palco de uma série de protestos contra o governo, que juntos deixaram mais de 150 mortos e centenas de detidos, além de danos avaliados em milhões de dólares.

 Maduro lança “bitcoin venezuelano” para enfrentar crise econômica e embargos

A liberdade de todos os classificados pela oposição como presos políticos é uma das petições dos antichavistas nos diálogos realizados na República Dominicana para buscar uma solução para a crise que a Venezuela vive há meses. O governo rejeita o termo “presos políticos”.

Além disso, a oposição exige mudanças no Conselho Eleitoral, a restituição dos poderes do Parlamento – de maioria oposicionista – e a abertura de um canal humanitário para a entrada de alimentos e remédios.

O oficialismo, por sua vez, pede a aceitação da Assembleia Constituinte, órgão composto apenas por integrantes do governo e não reconhecido pela oposição e vários países. As negociações entre governo e oposição serão retomadas nos dias 11 e 12 de janeiro na República Dominicana.

Fonte: Deutsche Welle

0 0 190 27 dezembro, 2017 Acontecimentos dezembro 27, 2017

Sobre o autor

CEO e Co-fundador da 2/1 Revista Eletrônica, Relações Corporativas, Ombudsman, atuou no Jornal O GLOBO (GRUPO GLOBO), Diário da Tarde (Diários Associados), Pohlig Heckel do Brasil (Grupo Belgo Mineira) e Diretor de Relações Públicas do Rotary Club

Ver todos os artigos por Jean Hausemer

Postagens relacionadas

Artigos recentes

  • Dúvidas sobre condomínio de lotes e direito de laje serão debatidas em oficina no próximo dia 31 de janeiro em São Paulo
    Dúvidas sobre condomínio de lotes e direito de laje serão debatidas em oficina no próximo dia 31 de janeiro em São Paulo
  • Entra em vigor lei que obriga manutenção de sistemas de ar condicionado
  • CPRT/CBIC dá início à agenda de trabalho de 2018 no próximo dia 30 de janeiro
  • Conselho Nacional do Trabalho dá início aos trabalhos de 2018
  • Em Movimento: como a construção civil movimenta a economia e gera empregos
  • Cientistas descobrem o que dizimou astecas
  • OMS põe todo estado de SP em área de risco para febre amarela