ONG CONTATO: 15 ANOS
Publicado por

ONG CONTATO: 15 ANOS

Centro de Referência da Juventude celebra a maturidade dos seus 15 anos de atuação em prol do desenvolvimento social da juventude por meio da cultura

Em 1996 eles tiveram um sonho. O sonho de resgatar o espírito de mobilização da juventude, adormecido desde o combate à ditadura militar, nas décadas de 60 e 70. De compor um movimento com identidade própria, valendo-se das novas tecnologias e paradigmas da comunicação e do conhecimento para forjar naquele presente uma nova agenda de articulação de políticas públicas voltadas para os jovens do amanhã, com base nos direitos humanos e no desenvolvimento social, tendo a cultura como principal instrumento.

Na terça-feira, dia 05 de setembro, a partir das 19h, a ONG CONTATO – Centro de Referência da Juventude – celebra os quinze anos da história desse sonho que se tornou realidade. Música, produção audiovisual, articulação de redes de movimentos sociais e cooperação internacional, interligados a programas de desenvolvimento inclusivo para a juventude, compõe o campo de atuação da entidade.

Pelas mãos dos seus fundadores – Helder Quiroga e Vitor Santana, com a participação de Daniel Perini e Gustavo Jardim – a instituição foi apontada como uma das que mais contribuiu para a promoção da diversidade cultural brasileira no Âmbito do Programa Cultura Viva, em 2010. Nesse mesmo ano, recebeu o Prêmio Asas, concedido pelo Ministério da Cultura em reconhecimento as melhores práticas voltadas à consolidação da Rede dos Pontos de Cultura no Brasil. “Articular redes de movimentos culturais vocacionados à inclusão social é uma forma de contribuir para a construção de uma sociedade mais justa e solidária para todos”, afirma Helder Quiroga.

Ao longo de sua trajetória, concebeu e produziu mais de 40 projetos socioculturais de abrangência local, regional, nacional e internacional; capacitou mais de dois mil jovens entre 16 e 35 anos e fomentou dezenas de projetos autorais de artistas dos mais diversos segmentos da arte com seus projetos de formação e produção coletiva na música, no audiovisual e nas artes plásticas. Para Vitor Santana, “os processos formativos desenvolvidos na CONTATO durante esses 15 anos são um dos mais importantes frutos do nosso trabalho: a verdadeira criação de Tecnologias Sociais para o trabalho com cidadania e cultura”.

Programação

Além da solenidade de abertura e das apresentações musicais de grandes expressões do cenário musical mineiro, como Sérgio Pererê, Carla Gomes, Eazy CDA, Thiakov, Vitor Santana e Zevinipim, também serão apresentados o novo site da instituição e as próximas ações da CONTATO, como a realização da terceira edição do Cidadania 2.0 ainda em setembro.

Nesse atual contexto, em que acompanhamos dia a dia o acirramento da desigualdade social e o agravamento de uma crise econômica, financeira e institucional em nosso país, a CONTATO festeja a sua resiliência, a sua solidez e reafirma a sua missão institucional de realizar ações que busquem, por meio da cultura, um novo modelo de desenvolvimento social, capaz de gerar um ativo precioso que a juventude brasileira tanto precisa: esperança.

LINHA DO TEMPO

ANOS 90: O INÍCIO DA ORGANIZAÇÃO

O Centro Cultural de Belo Horizonte e o Museu Abílio Barreto foram os primeiros espaços a abrir suas portas, nas tardes de sábado, para a reunião de jovens da periferia e da classe média belo-horizontina. Informais, os encontros ocorreram de maio de 1996 a outubro de 1998 baseados na autogestão, na liberdade de manifestação. Do cinema à música, dos direitos humanos à organização estudantil, da crítica ao modelo neoliberal à proposição de um planeta mais justo e inclusivo, os debates resultaram na proposta de institucionalização da CONTATO. Falava-se, pela primeira vez, sobre a necessidade de se criar, no terceiro setor, um espaço capaz de servir às muitas juventudes da cidade.

1999 – 2002: EFETIVANDO SUA IMAGEM INSTITUCIONAL

A institucionalização da CONTATO foi possível graças à mobilização de cerca de 50 jovens da Universidade Federal de Minas Gerais (UFMG) e da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC Minas) entre os anos de 1999 e 2001.

Os primeiros projetos foram voltados à construção de pontes entre as diversas juventudes da cidade. Em setembro de 2002, o projeto “Vila Cidadã” aproximou jovens da periferia e da classe média a partir da realização de oficinas de teatro, pintura e desenho na Vila Acaba Mundo, favela encravada na zona sul de Belo Horizonte. Também foram realizados os projetos “Reciclo Geral”, que apresentou o trabalho autoral de 60 músicos e compositores da capital, e “Outros – África no Brasil”, que promoveu apresentações musicais e debates entre jovens negros moradores das periferias e jovens africanos residentes em Belo Horizonte.

Nesse mesmo ano a CONTATO iniciou suas primeiras ações internacionais por meio da Rede Urb-Al, programa descentralizado de cooperação da Comissão Européia que buscava a aproximação de cidades, entidades e coletividades locais da América Latina e Europa. O programa, que mobilizou entidades no mundo inteiro, foi baseado no intercâmbio e na troca de experiências em favor da implementação de intervenções urbanas mais sustentáveis e inclusivas, incluindo a temática da juventude.

2003 – 2006: RECONHECIMENTO NACIONAL E NOVAS LINHAS DE ATUAÇÃO

Os anos seguintes marcaram a afirmação da CONTATO na construção de políticas públicas para a juventude. Em 2003, Daniel Perini, um dos coordenadores, já presidia o Conselho Municipal de Juventude de Belo Horizonte, com participação decisiva na criação do Conselho Municipal de Juventude de Ouro Preto. A entidade promoveu, em parceria com a UFMG, o 1º Seminário de Políticas Públicas para a Juventude de Belo Horizonte. Com mesas-redondas, palestras, painéis e intervenções culturais, o encontro resultou na constituição de um Fórum e na sistematização de novas diretrizes para a entidade.

O protagonismo foi definitivamente reconhecido em 2004, quando a CONTATO foi convidada a integrar o Conselho Nacional da Juventude (Conjuve), órgão consultivo dedicado a assessorar o governo federal na formulação de políticas públicas para o segmento. Recém-criado, o espaço reuniu membros oriundos de ministérios com programas e ações voltados para a juventude, do Fórum de Gestores Estaduais e da Frente Parlamentar de Políticas Públicas de Juventude, bem como representantes de movimentos sociais, redes de jovens e organizações não-governamentais.

Paralelamente, a CONTATO inaugurou sua nova sede na região centro-sul de Belo Horizonte, espaço que permitiu à entidade abrir suas portas para a juventude do vizinho Aglomerado da Serra, maior complexo de vilas e favelas da capital mineira, com mais de 100 mil habitantes. Além de mobilizar 250 jovens nos projetos “Estação Digital”, “Fábrica Vassouras da Serra” e “Oficina-Escola de Artesanato e Reciclagem”, voltados à inclusão digital e à geração de trabalho e renda, a entidade atuou na capacitação de outros 600 jovens pelo Programa Nacional de Incentivo ao Primeiro Emprego.

O novo espaço abrigou também o projeto “Cine Aberto- Laboratório de Filmes do Aglomerado da Serra”, Ponto de Cultura do primeiro edital lançado pelo Ministério da Cultura em 2004. O projeto trouxe o debate sobre o audiovisual, a projeção de filmes e profissionais da área realizaram oficinas para jovens do Aglomerado da Serra e da cidade em geral.

A utilização do audiovisual como ferramenta de expressão artística e social garantiu, em 2005, a integração da CONTATO à rede dos Pontos de Cultura”. Base do programa Cultura Viva, do Ministério da Cultura, a rede reuniu iniciativas de descentralização da gestão cultural em todo o país, baseadas na transversalidade e na promoção da diversidade cultural.

O reconhecimento levou a entidade a expandir suas atividades para a cidade de Ouro Preto, com a aplicação de seus programas de inclusão digital e suas oficinas de cultura e mobilização juvenil a partir de 2005. A experiência adquirida garantiu a criação do Primeiro Fórum Cultural de Juventude de Ouro Preto e abriu novas perspectivas de atuação da entidade em Minas Gerais.

2007 – 2010: MATURIDADE E PROTAGONISMO NAS ESFERAS LOCAL E GLOBAL

Enquanto realizava na capital mineira os “Encontros de Produção Cultural” – espaços para a formação dos gestores na cadeia artística – a CONTATO ampliou sua atuação para todas as regiões de Minas Gerais. Em parceria com a iniciativa privada – por meio de mecanismos de incentivo fiscal – estabeleceu duas grandes intervenções em nível estadual, a partir de 2007. A primeira foi o projeto “Cine Aberto: Cidades Digitais”, iniciativa que aliou o uso das novas tecnologias e das mídias móveis – como o telefone celular – à produção artística e ao registro do patrimônio material do estado. Lançado em seis cidades de Minas, o projeto mobilizou jovens de Belo Horizonte, Diamantina, Ouro Preto, Cataguases, Tiradentes e Itabira.

A segunda frente de abrangência estadual consolidou-se por meio do projeto “Cidades Invisíveis”. Selecionado pelo edital “Pontão de Cultura”, do Ministério da Cultura, a iniciativa garantiu a articulação inédita entre os “Pontos de Cultura” do interior mineiro com as afiliadas da TV Pública (Rede Minas). Voltado à valorização diversidade cultural, o projeto realizado em parceria com a Fábrica do Futuro resultou na produção de vídeos independentes nos municípios de Ouro Preto, Divinópolis, Januária, Juiz de Fora, Pirapora, Uberlândia, Viçosa, Pouso Alegre e Araçuaí.

Em 2009, a CONTATO ampliou suas articulações internacionais a partir da implantação do “Programa Cultura e Juventude – Diálogos Internacionais”. Criado para facilitar a troca de bens simbólicos, tecnologias e mecanismos de produção cultural entre países da América Latina, África e Europa, o projeto foi lançado nas cidades cubanas de Holguin e Havana durante o festival Romerias de Mayo. A ação resultou nos primeiros acordos para a disseminação do programa, integrado desde então pela Asociación Hermanos Saiz (AHS) de Cuba e pelo Centro Cultural Casa África, entidade ligada ao Senegal.

A articulação mostrou-se imprescindível para que a CONTATO fosse escolhida pelo Ministério da Cultura para realizar, em 2010, um ciclo de seminários sobre as relações entre cultura e juventude no âmbito do programa nacional de estímulo à reflexão e à crítica cultural “Cultura e Pensamento”. Durante uma semana, jovens artistas, produtores, intelectuais e instituições governamentais de três continentes (África, América Latina e Europa) foram instigados à troca de conhecimentos, reflexão e discussão sobre: arte e novas linguagens; cultura, diversidade e direitos humanos; cultura e meio ambiente; cultura e comunicação e territórios solidários na cultura.

2011 A 2017: CONSOLIDAÇÃO E RESGATE GLOCAL

Entre os anos de 2011 a 2013 a CONTATO operou em franca expansão. Realizou as primeiras Residências Criativas Internacionais em Belo Horizonte reunindo 20 jovens de diversos países da América Latina, Europa e África, sendo dez jovens estrangeiros, cinco belorizontinos e cinco de outras regiões do Brasil. Em um processo de imersão criativa que durou três semanas criaram e produziram dois produtos claros e definidos: um CD com composições coletivas e um DVD com cinco documentários de 13 minutos de duração cada.

Promoveu o seminário “Belo Horizonte – De Portas Abertas para o Mundo”, dedicado a posicionar Belo Horizonte como Capital da Cultura, aproveitando a ocasião da Copa do Mundo que aconteceria em 2014, unindo turismo sustentável e economia criativa. O evento contou com o apoio do Governo do Estado de Minas Gerais e Prefeitura de Belo Horizonte. Também iniciou as atividades do projeto Cine Aberto – Laboratório de Filmes, que contou com o apoio da Claro para promover diversas atividades, oferecendo de maneira gratuita oficinas, palestras, debates e produção de conteúdos com jovens realizadores em Minas Gerais. O projeto Memórias Urbanas foi patrocinado pela ArcelorMittal e pela Prefeitura de Belo Horizonte com o objetivo de formar de jovens realizadores e gerar produtos que retratassem as manifestações artístico culturais da cidade de Belo Horizonte.

O Programa Cidadania 2.0 dedicado a articulação de redes de movimentos sociais no Brasil começa em 2012 com as viagens aos territórios como Amazônia, Nordeste e Sudeste do país. A partir de um diagnóstico feito em parceria com a Fundação Banco do Brasil surgiu o primeiro evento dedicado a reflexão sobre a articulação de redes nos territórios em parceria com o espaço cultural O FAROL localizado no Centro da Cidade de São Paulo.

O Seminário Cidadania 2.0 de imersão das redes reuniu mais de 33 Redes de Movimentos Sociais como a ASA (Articulação do Semi-Árido),Rede de Povos da Floresta, Movimento Nacional dos Catadores de Materiais Recicláveis, Fora do Eixo, Levante Popular da Juventude,MST (Movimento dos Trabalhadores Sem Terra),entre outras. Teve ainda a participação de Benky Ashaninka, Gilberto Gil, Alfredo Manevy, Juca Ferreira, Eliane Costa, Ricardo Abramovay, Ricardo Rovái, Bruno Torturra, entre vários outros ativistas e intelectuais.

Esta iniciativa surgiu de uma parceria entre a ONG Contato e a Fundação Banco do Brasil e a Secretaria de Municipal de Cultura de São Paulo visando articular e refletir acerca de uma estratégia que envolveu a reaplicação de tecnologias sociais, relacionando ao processo de mobilização, com ênfase na juventude, em redes de movimentos sociais e interorganizacionais que desenvolvem ações educativas, culturais e sócio produtivas em todo o Brasil.

Em 2012/2013, firmou uma parceria com a Prefeitura de Belo Horizonte, por meio de um convênio de cooperação mútua com a Secretaria de Políticas Sociais, voltado para a realização de atividades de cunho social voltadas para a integração e a formação cultural de jovens artistas e lideranças comunitárias, como oficinas, palestras, debates, entre outros. Foi também o ano de lançamento do projeto “Ateliê Aberto – Laboratório de Artes”, voltado para a formação e produção em artes plásticas, criando um grupo composto por jovens artistas dedicados à pesquisa, à experimentação e à produção de obras artísticas.

Ainda neste período, expandiu ainda mais seus projetos, lançando também o “Estação Contato de Metarreciclagem”, projeto voltado para a capacitação e a inclusão sócio produtiva de 80 jovens por meio de uma formação cidadã e técnica. Na ocasião foi realizada a reforma e adequação do espaço da Casa do Movimento Popular em Contagem para abrigar as atividades do projeto. Esta iniciativa foi considerada importante para a comunidade, pois contribuiu para o combate a pobreza e a violência na cidade de Contagem, Belo Horizonte e região metropolitana, gerando a inclusão digital e social no Estado de Minas Gerais.

Nos anos de 2015 e 2016, seguindo o movimento da tecnologia, investiu na produção audiovisual, criando a Contato Filmes, desdobrada em laboratório e incubadora de audiovisual, dedicada à formação e capacitação de novos realizadores do mercado audiovisual em Minas Gerais. A série “Educação e Cidadania” foi fruto dessa iniciativa. Foi dividida em 10 episódios, que abordam os seguintes temas: “ativismo e juventude”, “direitos humanos”, “gênero e identidade”, “africanidade”, “juventude e periferia”, “sertão”, “água”, “meio ambiente” e “tecnologia e inovação”. Assuntos de extrema importância e relevância no cenário atual. O décimo episódio teve como entrevistado e figura central o ex-presidente do Uruguai, José Mujica, que fala sobre política, pensamento e a nova ordem mundial.

Também em 2016 foi realizada uma nova edição do “Cidadania 2.0”, desta vez com o tema “Sustentabilidade, Juventude e Terceiro Setor”. A iniciativa teve o patrocínio da Fundação Banco do Brasil e do Governo de Minas e dedicou-se a promover a reflexão e contribuições de entidades e redes de movimentos sociais para o aprimoramento de práticas e políticas públicas visando o desenvolvimento de projetos voltados para a juventude de periferia, o aprimoramento do marco regulatório do terceiro setor em Minas Gerais e articulação de investidores nacionais para este segmento.

Em 2017 comemora os 15 anos da instituição e realiza a terceira edição do Cidadania 2.0, que será realizada entre os dias 20 e 21 de setembro de 2017, trazendo nomes como João Paulo Cunha, Juca Ferreira, Áurea Carolina, Cláudio Prado, entre outros, para debater os desafios das entidades sócio-culturais em Belo Horizonte e Minas Gerais, além de consolidar uma frente dessas organizações para a criação de um programa de apoio permanente a entidades do terceiro setor para ser apresentado para o poder público e a iniciativa privada.

SERVIÇO:

CONTATO – 15 ANOS

Dia 05 de setembro, terça-feira

A partir das 18h

Rua Pouso Alto, 175 – Serra

PROGRAMAÇÃO:

19h: Mesa de abertura com presença de autoridades

20h: Exibição de vídeos institucionais

20 30h: Apresentação da nova plataforma digital

21h: Apresentações musicais com Sérgio Pererê, Carla Gomes, Eazy CDA, Thiakov, Vitor Santana e Zevinipim

Festa de Confraternização

Mais informações: (31) 3281-5326

Informações para a imprensa:

NOIR COMUNICAÇÃO TOTAL | ÂNGELA AZEVEDO

(31) 3297-1014 | 99114-7229

www.noir.com.br

Ângela Azevedo

Noir Comunicação Total

Rua Carangola 75/21 – Santo Antônio

Belo Horizonte – MG – 30330-240

55 (31) 3297 1014 & (31) 99114 7229

www.noir.com.br

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sentadas e barba
0 0 2310 05 setembro, 2017 Agenda Cultural, Fique Por Dentro setembro 5, 2017

Sobre o autor

CEO e Co-fundador da 2/1 Revista Eletrônica, Relações Corporativas, Ombudsman, atuou no Jornal O GLOBO (GRUPO GLOBO), Diário da Tarde (Diários Associados), Pohlig Heckel do Brasil (Grupo Belgo Mineira) e Diretor de Relações Públicas do Rotary Club

Ver todos os artigos por Jean Hausemer

Postagens relacionadas

Artigos recentes

  • Dúvidas sobre condomínio de lotes e direito de laje serão debatidas em oficina no próximo dia 31 de janeiro em São Paulo
    Dúvidas sobre condomínio de lotes e direito de laje serão debatidas em oficina no próximo dia 31 de janeiro em São Paulo
  • Entra em vigor lei que obriga manutenção de sistemas de ar condicionado
  • CPRT/CBIC dá início à agenda de trabalho de 2018 no próximo dia 30 de janeiro
  • Conselho Nacional do Trabalho dá início aos trabalhos de 2018
  • Em Movimento: como a construção civil movimenta a economia e gera empregos
  • Cientistas descobrem o que dizimou astecas
  • OMS põe todo estado de SP em área de risco para febre amarela