Michael Wolff, autor do livro sobre o “caótico” governo Trump
Publicado por

Michael Wolff, autor do livro sobre o “caótico” governo Trump

ESTADOS UNIDOS

Obra que irritou presidente dos EUA teve lançamento adiantado e chegou ao topo da lista de mais vendidos da Amazon. Saiba quem é o homem por trás do livro mais comentado deste início de ano.

O jornalista norte-americano Michael WolffO jornalista norte-americano Michael Wolff

Depois de atuar por mais de 40 anos no jornalismo, Michael Wolff virou sensação da noite para o dia com o anúncio da publicação de um livro expondo os bastidores da campanha e do primeiro ano da presidência de Donald Trump.

Leia mais: Trump tenta impedir publicação de livro sobre bastidores da Casa Branca

Em Fire and Fury: Inside the Trump White House (Fogo e Fúria: por dentro da Casa Branca de Trump), Wolff faz um retrato de uma Casa Branca desastrada e disfuncional sob a liderança de Trump. O livro causou tanto interesse que Wolff foi ameaçado por advogados de Trump, e o lançamento foi adiantado para esta sexta-feira (05/01).

Há apenas alguns dias, Wolff, de 64 anos, era pouco conhecido fora do ecossistema midiático dos Estados Unidos, mas seu novo livro, desdenhado pelo governo Trump como mera “ficção desprezível e de tabloides”, já alcançou o topo da lista dos mais vendidos na Amazon.

Capa do livro Fogo e Fúria, de Michael WolffCapa do livro “Fogo e Fúria”, de Michael Wolff

Qual é o histórico do autor?

Wolff nasceu em Nova Jersey, estudou na Universidade de Columbia, na cidade de Nova York, e começou sua carreira como office boy do diário The New York Times.

Atualmente, colabora com o jornal USA Today e as revistas Vanity Fair e New York, mas também escreveu para as publicações GQ e o Hollywood Reporter, entre outras.

Ele escreveu algum livro antes?

Sim, pelo menos meia dúzia. O primeiro foi White Kids, publicado em 1979. Mas sua obra mais conhecida até hoje era o perfil de Rupert Murdoch, publicado em 2008 e intitulado The Man Who Owns the News (“O Dono da Mídia”).

O magnata da mídia ficou extremamente insatisfeito com o livro de Wolff, o que torna ainda mais surpreendente a razão pela qual Trump permitiu que ele tivesse tanta liberdade para perambular pela Casa Branca, observando seu funcionamento e conversando com pessoas que trabalham na residência oficial do presidente americano.

Wolff conduziu mais de 200 entrevistas para o livro, inclusive com Trump, e gravou várias delas.

Qual a credibilidade de Wolff?

Ele chegou a ser alvo de críticas por colegas jornalistas, que no passado questionaram sua fidelidade à verdade.

Um dos artigos mais famosos sobre Wolff é um perfil escrito por Michelle Cottle para a revista The New Republic, no qual ela escreve: “Até Wolff reconhece que o jornalismo convencional não é a sua praia. Ele prefere absorver a atmosfera e as fofocas que rodopiam em volta dele em coquetéis, na rua e especialmente durante aqueles longos almoços.”

Mesmo assim, Wolff venceu o prêmio National Magazine duas vezes – um dos prêmios foi para uma série de reportagens que ele escreveu sobre a guerra no Iraque, em 2003.

O que Trump achou do livro?

“Está cheio de mentiras”, disse Trump, em sua conta do Twitter. Não é surpresa que ele não tenha gostado do livro, uma publicação abarrotada de revelações chocantes e comprometedoras. E alguns dos comentários mais impressionantes revelados pela obra foram feitos pelo ex-estrategista do presidente Steve Bannon, que foi exonerado no ano passado durante batalhas internas de poder na Casa Branca.

Trump reagiu no Twitter, dizendo que o livro era ficção e que se apoiava em fontes falsas.

I authorized Zero access to White House (actually turned him down many times) for author of phony book! I never spoke to him for book. Full of lies, misrepresentations and sources that don’t exist. Look at this guy’s past and watch what happens to him and Sloppy Steve!

“Eu autorizei zero acesso à Casa Branca (na verdade, o rejeitei várias vezes) ao autor do livro falso”, escreveu Trump. “Cheio de mentiras, deturpações e fontes que não existem. Olhem para o passado desse cara e o que acontece com ele e com Desleixado Steve!”.

Trump pode impedir a publicação do livro?

É quase certo que não. O advogado de Trump enviou cartas contendo ordens para impedir a publicação, sob pena de ação judicial. Os documentos foram enviados tanto a Wolff quanto a sua editora, a Henry Holt & Co., com ameaças de ações legais se o livro for publicado. Em vez de considerar paralisar a publicação, a empresa decidiu acelerá-la, mencionando a valiosa contribuição da obra para o debate público.

Autoria Bruce Konviser

0 0 110 06 janeiro, 2018 Mix Informações janeiro 6, 2018

Sobre o autor

CEO e Co-fundador da 2/1 Revista Eletrônica, Relações Corporativas, Ombudsman, atuou no Jornal O GLOBO (GRUPO GLOBO), Diário da Tarde (Diários Associados), Pohlig Heckel do Brasil (Grupo Belgo Mineira) e Diretor de Relações Públicas do Rotary Club

Ver todos os artigos por Jean Hausemer

Postagens relacionadas

Artigos recentes

  • 2/1 Revista Eletrônica
    2/1 Revista Eletrônica
  • VAC – CONTEMPORÂNEO APRESENTA: RUFO HERRERA E O BANDONEÓN
  • Muito barulho por nada
  • Petistas acham que partido deve ter plano caso Lula não concorra ao Planalto
  • O desafio das ‘fake news’ nas eleições de 2018
  • Aviões turcos bombardeiam território curdo na Síria
  • STJ libera posse de Cristiane Brasil no Ministério do Trabalho