Checkpoint Berlim: Sinos da era nazista
Publicado por

Checkpoint Berlim: Sinos da era nazista

COLUNA

Descoberta de peça com suástica na Renânia-Palatinado impulsionou buscas em igrejas de toda Alemanha. Em Berlim, até agora, dois sinos da era nazista que ainda funcionavam já foram encontrados.

Primeiro sino nazista foi encontrado em Herxheim am BergPrimeiro sino nazista foi encontrado em Herxheim am Berg

Mais de 70 anos depois do fim da Segunda Guerra Mundial, a Alemanha ainda é confrontada com heranças inesperadas do regime nazista. Em meados de 2017, a revelação de que uma igreja no município de Herxheim am Berg, no estado da Renânia-Palatinado, possuía um sino ainda ativo que continha uma suástica e a inscrição “Tudo pela pátria – Adolf Hitler” causou grande indignação e levou à renúncia do prefeito da cidade.

Leia também: Um dos últimos resquícios da “Germânia”

A revelação deu início a um intenso debate na cidade sobre como lidar com essa herança histórica. A discussão ultrapassou as fronteiras locais e levantou a possibilidade de que outros casos semelhantes poderiam existir na Alemanha.

A jornalista Clarissa Neher A jornalista Clarissa Neher vive em Berlim desde 2008

Nos meses seguintes, sinos da era nazista foram encontrados em igrejas de outros estados do país. Em Berlim, a regional local da igreja luterana começou em outubro uma inspeção em suas comunidades. Ao todo, a capital alemã possui 242 igrejas evangélicas e cerca de 100 católicas. A investigação localizou até agora dois sinos com símbolos nazistas em igrejas locais: um numa comunidade do bairro Spandau e o outro em Rudow.

A regional luterana não descarta, no entanto, que outros sinos sejam encontrados na cidade e também no estado de Brandemburgo, mas acredita que o número de futuras possíveis descobertas não deve ultrapassar algumas unidades. Essa herança está presente em igrejas construídas durante o regime nazista (1933-1945) ou naquelas que receberam sinos novos nesta época.

O sino de Spandau, por exemplo, foi encontrado numa igreja construída em 1932, mas que recebeu a peça de bronze, marcada com uma suástica, em 1934. Depois de um intenso debate entre igreja e comunidade foi decidido que o sino seria retirado do local e doado para um museu. A descoberta também impulsionou a formação de um grupo para analisar qual foi o papel da comunidade durante o regime nazista e os motivos da permanência do sino na igreja, mesmo depois de uma discussão sobre o tema, ocorrida em 1962, como mostrou o arquivo local.

Já em Rudow, a descoberta ocorreu pouco antes do Natal. Como a igreja possui dois sinos, a comunidade decidiu que a peça com inscrições nazistas não será mais tocada. Um debate deve decidir o futuro do objeto: se ele permanecerá na igreja ou terá um destino semelhante ao de Spandau.

Como destinação mais correta para os sinos da época nazista, o Conselho Central dos Judeus na Alemanha recomenda a remoção desses objetos e sua doação para museus. No caso que originou o debate atual foi decidido que o silêncio é, por enquanto, o futuro do sino em Herxheim am Berg.

Clarissa Neher é jornalista freelancer na DW Brasil e mora desde 2008 na capital alemã. Na coluna Checkpoint Berlim, publicada às segundas-feiras, escreve sobre a cidade que já não é mais tão pobre, mas continua sexy.

Autoria Clarissa Neher

Fonte:Deutsche Welle

0 0 120 09 janeiro, 2018 Mix Informações janeiro 9, 2018

Sobre o autor

CEO e Co-fundador da 2/1 Revista Eletrônica, Relações Corporativas, Ombudsman, atuou no Jornal O GLOBO (GRUPO GLOBO), Diário da Tarde (Diários Associados), Pohlig Heckel do Brasil (Grupo Belgo Mineira) e Diretor de Relações Públicas do Rotary Club

Ver todos os artigos por Jean Hausemer

Postagens relacionadas

Artigos recentes

  • 2/1 Revista Eletrônica
    2/1 Revista Eletrônica
  • VAC – CONTEMPORÂNEO APRESENTA: RUFO HERRERA E O BANDONEÓN
  • Muito barulho por nada
  • Petistas acham que partido deve ter plano caso Lula não concorra ao Planalto
  • O desafio das ‘fake news’ nas eleições de 2018
  • Aviões turcos bombardeiam território curdo na Síria
  • STJ libera posse de Cristiane Brasil no Ministério do Trabalho