Unidos da Tijuca homenageia Miguel Falabella ao abrir 2ª noite na Sapucaí
Publicado por

Unidos da Tijuca homenageia Miguel Falabella ao abrir 2ª noite na Sapucaí

Marisa Orth sambou como Magda em desfile que mostrou infância, começo da carreira e trabalhos do ator e diretor como ‘Sai de Baixo’, ‘As noivas de Copacabana’ e ‘Salsa e Merengue’.

A Unidos da Tijuca abriu o segundo dia de desfiles no Rio exaltando o ator, diretor e escritor Miguel Falabella. A escola da Zona Norte apresentou o enredo “Um coração urbano: Miguel, o arcanjo das artes, saúda o povo e pede passagem” nesta segunda (12).

  • O homenageado foi destaque, em desfile com Marisa Orth sambando como Magda, de “Sai de Baixo”, com direito a coleira com “Caco” escrito. Outros amigos como Arlete Salles, Cissa Guimarães, Claudia Raia e Aracy Balabanian também desfilaram
  • O marido dela no programa, Caco Antibes (Falabella), foi tema das fantasias da bateria e o desfile correu sem problemas: um alívio após o acidente do ano passado, quando um carro alegório desabou e deixou 12 feridos
  • A infância, a formação como escritor, o começo no teatro, as novelas e séries foram lembradas em quase todas as 29 alas

O carro abre-alas representou um navio gigante e mergulhou nas histórias que encantaram Falabella na infância, como a de “O Pequeno Príncipe”. Ele ganhou um exemplar do livro de Antoine Saint-Exupéry quando tinha sete anos.

Outras alas também se dedicaram a mostrar a juventude do homenageado. A ala das águas-vivas lembrou os passeios dele nas praias da Ilha do Governador, onde foi criado. A comissão de frente defendeu o lema “O teatro é a minha religião”, tratando a arte como um ritual.

A escola tricampeã trouxe alas sobre a primeira peça profissional (“O dragão verde”) e o espetáculo que o fez conhecer Marília Pêra (“A menina e o vento”). O segundo carro fez referência ao Tablado, escola de atores.

Outros trabalhos como “TV Pirata”, humorístico do qual foi roteirista, e a novela “Salsa e Merengue”, primeira escrita por ele, também foram homenageados.

As baianas vieram como “As noivas de Copacabana”, em referência a minissérie que ele protagonizou. Trabalhos mais recentes como “Brasil a bordo”, no ar pela TV Globo, também foram lembrados.

O quinto carro uniu dois clássicos do teatro que tiveram participação de Falabella: “O Beijo da Mulher Aranha” e “O Homem De La Mancha”.

A partir daí a escola parou de falar especificamente dele e passou a se inspirar no carnaval em geral, também paixão do ator. A parte final fez menções aos blocos, cordões, escolas de samba e o carnaval como sendo um imenso musical.

Fonte:G1

0 0 1130 13 fevereiro, 2018 Acontecimentos fevereiro 13, 2018

Sobre o autor

CEO e Fundador da 2/1 Revista Eletrônica, Relações Corporativas, Ombudsman, atuou no Jornal O GLOBO (GRUPO GLOBO), Diário da Tarde (Diários Associados), Diário do Comércio, Pohlig Heckel do Brasil (Grupo Belgo Mineira) e Diretor de Relações Públicas do Rotary Club.

Ver todos os artigos por Jean Hausemer

Postagens relacionadas

Artigos recentes

  • A morte do sandinismo histórico
    A morte do sandinismo histórico
  • A inflexibilidade alemã
  • VAMP O MUSICAL – COM CLAUDIA OHANA E NEY LATORRACA NO ELENCO
  • Riviera lança álbum “Aquário” no Cine Theatro Brasil Vallourec
  • Inscrições abertas para o curso técnico em enfermagem da Escola Técnica Santa Casa BH
  • Retrato desenhado a mais de 198 anos, por Jean Antoine Felix Dissandes de Monlevade.
  • Arthur Melo faz show de pré lançamento do seu novo disco em BH