“Tinder da reciclagem” brasileiro vence prêmio de inovação
Publicado por

“Tinder da reciclagem” brasileiro vence prêmio de inovação

TECNOLOGIA

Aplicativo Cataki conecta catadores com pessoas e empresas que querem descartar materiais recicláveis. Projeto, que concorreu com outras 2 mil iniciativas tecnológicas de todo o mundo, recebe prêmio Netexplo em Paris.

Brasilien Müllwagen (Ueslei Marcelino)“Lutamos pelo reconhecimento dos catadores de lixo, que são verdadeiros agentes ambientais”, conta idealizador

Uma ideia simples que serve como um cartão de visita aos heróis invisíveis das ruas, responsáveis por quase 90% de todo o lixo reciclado no Brasil. O aplicativo Cataki, que conecta catadores independentes com cidadãos e empresas que querem descartar materiais recicláveis, venceu nesta terça-feira (13/02) o prêmio de inovação do fórum Netexplo, concedido a projetos de tecnologia com maior impacto social e nos negócios.

“Lutamos pelo reconhecimento dos catadores, que são verdadeiros agentes ambientais. O app é uma forma alternativa de aumentar a renda dos catadores com um benefício ambiental sem preço”, disse o grafiteiro e ativista Mundano, idealizador do Cataki, na cerimônia de premiação na sede da Unesco, em Paris.

O aplicativo sem fins lucrativos funciona como um “tinder da reciclagem”, que permite um “match” entre cidadãos comuns que querem descartar resíduos e os catadores que estão mais próximos do local da coleta. Desde julho de 2017, quando o Cataki foi lançado, 300 catadores de mais de 30 cidades brasileiras se registraram no aplicativo.

Leia tambémAlemanha e o desafio de reduzir o lixo plástico

“Os catadores são cadastrados num banco de dados e começam a receber ligações dos usuários do app que querem descartar móveis, eletrônicos, vidro e papéis”, explica Breno Castro Alves, coordenador do projeto. Pelo aplicativo, é possível ver o perfil dos catadores mais próximos e fazer uma ligação para combinar o horário e local da coleta, bem como o preço do serviço.

“Como se trata de uma população muito vulnerável que ainda sofre com a exclusão digital, nós pensamos num conceito colaborativo que não demandaria muita tecnologia e sem nenhuma barreira de entrada”, acrescenta Alves. “O Cataki propõe um contato real, permitindo que pessoas de diferentes classes sociais conversem sobre um problema comum.”

O aplicativo Cataki, que custou 160 mil reais, foi uma das dez inovações tecnológicas globais selecionadas pelo Netexplo, observatório independente de estudos sobre o impacto de tecnologias na sociedade e nos negócios, em parceria com a Unesco. Ao todo, dois mil projetos foram avaliados. E o Cataki foi o grande vencedor.

Marcus Goddard, diretor associado do Observatório Netexplo, destaca que o aplicativo ajuda o catador a fazer negócio, ter uma renda e ganhar reconhecimento. “É uma economia informal paralela que garante a reciclagem de toneladas de lixo no Brasil. Apesar de os catadores serem essenciais, eles não são reconhecidos pelo seu trabalho”, disse ele em entrevista à DW Brasil.

“O Cataki representa um uso muito inteligente da tecnologia, com um grande alcance. É um aplicativo muito simples para conectar pessoas, com uma grande relevância social por ser um instrumento de integração entre diferentes classes sociais”, avalia.

Breno Castro Alves, coordenador do projeto, e Mundano, idealizador do aplicativo, recebem prêmio em ParisBreno Castro Alves, coordenador do projeto, e Mundano, idealizador do aplicativo, recebem prêmio em Paris

Rede de colaboração

Depois de ter se registrado no aplicativo, o catador Cláudio, de São Paulo, não tem dado conta de tanta demanda. “Uma moça me chamou para pegar uma máquina de lavar. Depois, me chamou outra vez para pegar uma porta. Um rapaz para quem ela me indicou me chamou para fazer um carreto. Depois, o dono de uma loja de ar-condicionado me deu todo o restante de chaparia. Só não pego mais trabalho, porque não estou dando conta de tantos pedidos”, relata.

Cláudio diz que o Cataki aumentou ainda mais a sua responsabilidade. “As pessoas têm me dado muito espaço para trabalhar. Tento atender os clientes da melhor maneira possível”, diz. “Muitas coisas que aconteceram na minha vida fecharam muitas portas, mas o Cataki começou a me dar alegria de fazer certas coisas, melhorou minha condição financeira. Todos estão dando a mão para mim e eu estou conseguindo seguir em frente diante de tantos problemas.”

O aplicativo também tem criado uma rede colaborativa. “Quando surge alguma coleta muito distante, eu repasso para um colega. Um ajuda o outro. Temos que ser unidos”, afirma a catadora Fabiana, também de São Paulo.

“Nessa troca entre eles, nós descobrimos que em São Paulo tem uma catadora vendendo garrafa pet a 25 centavos, enquanto outro catador oferece o produto a 1,50 real. Com essa informação, a catadora passou a ter um comprador que paga seis vezes mais do que o anterior. Esse é um resultado real da rede colaborativa que eles próprios estão formando”, destaca Alves.

Ideia surgiu da demanda

O projeto foi idealizado pelo grafiteiro Mundano, fundador do movimento Pimp my Carroça – um projeto para tirar catadores de materiais recicláveis da invisibilidade, com intervenções artísticas nas carroças, e que ganhou atenção global.

O app foi resultado do contato intenso de Mundano com os catadores. “Muitas pessoas vinham me pedir indicação para a coleta, então eu virei um secretário dos catadores, passando contatos. A partir dessa demanda, antes de o Uber ser lançado no Brasil, tive a ideia de criar a plataforma para facilitar esse ‘match’ entre catadores e quem precisa do serviço deles. Mas não somos o Tinder, somos o Cataki”, enfatiza.

Quando a rede de catadores for maior, os usuários poderão compartilhar fotos e vídeos do que têm em casa e informar o endereço e horário desejado para a coleta. Os catadores mais próximos, que terão foto e informação de perfil, poderão então escolher se aceitam ou não fazer a coleta e sugerir um valor pelo trabalho. Essa nova versão do aplicativo ainda será desenvolvida.

“O grande desafio não é apenas criar coisas incríveis com tecnologia, mas como torná-las populares e acessíveis para uma camada com menos privilégios, à margem da sociedade. Essa é uma porta de entrada para incluí-los na cadeia de negócios”, observa Mundano. “Se formos esperar que o governo brasileiro ou as empresas paguem pelo serviço dos catadores, não vamos ter resultados. Eles fazem um serviço público de coleta e limpeza pública e precisam ser reconhecidos por isso.”

O serviço está mais estruturado em São Paulo e Recife. Mais recursos são necessários para chegar a outras regiões do país, mapear catadores e ampliar a rede. Com o reconhecimento internacional da iniciativa, Mundano e Alves esperam conseguir mais apoiadores.

Vestidos com gravata de chita e camisetas de blocos de carnaval, os coordenadores do Cataki celebraram a premiação com confetes feitos a partir de material reciclável, apesar do frio de 1 grau Celsius e a neve fina em Paris.

“Uma coisa de valor e que os catadores precisam é de atenção. Sentar junto e conversar. Ter alguém que te trata como pessoa e não como um ser invisível já é um ganho social muito importante. Esse é um ganho de rede e não de tecnologia”, disse Breno Castro Alves.

Fonte: Deutsche Welle

  • Autoria Karina Gomes (de Paris)
0 0 250 15 fevereiro, 2018 Acontecimentos fevereiro 15, 2018

Sobre o autor

CEO e Co-fundador da 2/1 Revista Eletrônica, Relações Corporativas, Ombudsman, atuou no Jornal O GLOBO (GRUPO GLOBO), Diário da Tarde (Diários Associados), Pohlig Heckel do Brasil (Grupo Belgo Mineira) e Diretor de Relações Públicas do Rotary Club

Ver todos os artigos por Jean Hausemer

Postagens relacionadas

Artigos recentes

  • Opinião: PIB não serve mais como indicador
    Opinião: PIB não serve mais como indicador
  • Brasil e Alemanha se unem para fazer frente à China no mercado de terras raras
  • Conselho de Segurança aprova cessar-fogo na Síria
  • Cotação do real em relação ao euro e ao dólar
  • ADCE-MG ‼
  • Souchic: 11 looks estilosos para você arrasar!
  • NEOMANUAL – ENSINO DE ARTE E CULTURA