Macron: não há “plano B” para acordo nuclear com Irã
Publicado por

Macron: não há “plano B” para acordo nuclear com Irã

FRANÇA-EUA

Na véspera de sua visita aos EUA, presidente francês antecipa temas a abordar com Trump. Em meio às tensões com Moscou, reconhece que Putin é um “presidente forte”, mas com uma ideia de democracia que não é a sua.

Emmanuel Macron se prepara para encontro com Trump em Washington                                                                                                              Emmanuel Macron se prepara para encontro com Trump em Washington

O presidente da França, Emmanuel Macron, apelou neste domingo (22/04) a seu homólogo americano, Donald Trump, para que mantenha o acordo nuclear com Teerã, argumentando que não há um “plano B”.

Numa entrevista à emissora Fox News, o francês admitiu que o acordo de 2015, que restringe as ambições nucleares iranianas, como “imperfeito”, mas disse não ver opção melhor. Na segunda-feira ele inicia uma visita de Estado a Washington.

Trump prometeu retirar-se do acordo com o Irã até 12 de maio, caso os negociadores dos Estados Unidos e europeus não se empenhem em reparar o que ele chama de “falhas sérias” no documento.

Na entrevista, Macron também contestou as novas tarifas alfandegárias que Trump ameaçou impor a partir de 1º de maio, considerando que não se faz “guerra comercial com aliados”. Durante sua visita, além de abordar a questão das tarifas, Macron planeja instar os EUA a permanecerem envolvidos na Síria.

“Eu o respeito. Eu o conheço. Sou lúcido”

Em face ao aumento das tensões entre os países ocidentais e Moscou, Macron alertou que o chefe de Estado russo, Vladimir Putin, é um “presidente forte”, diante do qual “não deveríamos nunca nos mostrar fracos”, pois senão “ele se aproveita”.

“Ele é forte e inteligente, mas não é ingénuo”, continuou, avaliando o seu homólogo russo como “obcecado” com a interferência na democracia dos outros países.

“Ele intervém em todos os lugares, quero dizer, na Europa e nos Estados Unidos, para enfraquecer as nossas democracias, pois acha que isso é bom para seu país”, acrescentou, sublinhando: Putin “tem uma ideia de democracia que não é a minha”. “Eu o respeito. Eu o conheço. Sou lúcido”, concluiu.

O confronto entre o Ocidente e a Rússia atingiu níveis sem precedentes desde o fim da Guerra Fria depois do envenenamento do ex-agente duplo russo Sergei Skripal na Inglaterra, em 4 de março. A crise culminou contra uma ofensiva com mísseis dos EUA, França e Reino Unido contra o regime de Damasco, aliado de Moscou, em resposta a um suposto ataque químico contra civis.

Fonte: Deutsche Welle 

0 0 550 23 abril, 2018 Em Alerta abril 23, 2018

Sobre o autor

CEO e Fundador da 2/1 Revista Eletrônica, Relações Corporativas, Ombudsman, atuou no Jornal O GLOBO (GRUPO GLOBO), Diário da Tarde (Diários Associados), Diário do Comércio, Pohlig Heckel do Brasil (Grupo Belgo Mineira) e Diretor de Relações Públicas do Rotary Club.

Ver todos os artigos por Jean Hausemer

Postagens relacionadas

Artigos recentes

  • MORARMAIS BH18 IMPERDÍVEL
    MORARMAIS BH18 IMPERDÍVEL
  • 21/8 – próxima terça – Nilton Bonder no Sempre Um Papo
  • Merkel e Putin visam novo molde para solução síria
  • Irã anuncia nova arma “contra EUA e Israel”
  • Após conflito, 1.200 venezuelanos deixam Roraima
  • CONDOMÍNIOS CORREM RISCO DE TEREM PREJUÍZOS EXPRESSIVOS  COM INCÊNDIO E VÍCIOS DE CONSTRUÇÃO
  • Cuidado. Seu voto pode custar caro