Estratégias contra a depressão de inverno
Publicado por

Estratégias contra a depressão de inverno

COLUNA ALEMANICES

Apesar do frio insistente, na Alemanha não faltam maneiras de lidar com a estação mais fria do ano. Luz artificial, vitaminas, chá quente com os amigos e banhos termais ajudam a atravessar o inverno de bom humor.

Mulher com xícara de chá

Os dias ásperos do longo inverno encurtam os diálogos, derrubam o bom humor e levam a certo isolamento. A pele está mais branca, a gripe chata não passa, e todos os livros que estavam na lista já foram lidos. A vida segue, mesmo sem o sol. E lidar com dias curtos e com o anoitecer antes das cinco da tarde torna as emoções nebulosas.

Falta de energia, pouco contato social, maior cansaço matinal e indiferença fazem parte do ritmo de desconforto na estação escura. A gravidade dos sintomas distingue um comum blues do inverno da depressão. O transtorno afetivo sazonal (TAS) – ou depressão de inverno – afeta a vida cotidiana, familiar e profissional.

Para não se entregar à nostalgia dos distantes dias quentes, os alemães se valem de uma série de estratégias. Antes da chegada do inverno, alguns se preparam com suplementos vitamínicos, principalmente de vitamina D, e compram lâmpadas que imitam a luz natural (Tageslichtlampe) para usar em casa ou no escritório.

Apesar da tendência natural de se recolher e se entregar à apatia, o segredo é sair de casa apesar do frio. Para aproveitar o inverno, não faltam opções.

Além de esquiar ou viajar para regiões alpinas, vale passar uma tarde na sauna ou em clubes termais (Thermalbad) e sair para tomar um chá quente com amigos. É com eles que muitas horas do inverno serão gastas com jogos de tabuleiro. E se a opção for ficar em casa, basta encher a banheira e curtir a água quente com óleos aromáticos.

Na Alemanha, centros de bronzeamento (Solarium) estão espalhados por toda parte. Muitos funcionam 24 horas por dia. Em restaurantes, há aquecedores do lado de fora e um cobertor em cada cadeira para serem usados por aqueles que ignoram as baixas temperaturas.

No primeiro raiozinho de sol de verdade, os seres recolhidos vestirão os casacos, luvas, gorros e botas às pressas para aproveitar a rara aparição, acompanhados de um bom sorvete. Essa é uma relação difícil. Logo o sol vai embora, e os navegantes se escondem atrás das frestas das janelas checando a previsão do tempo semanal, na esperança de que logo a luz solar venha para ficar.

Na coluna Alemanices, publicada às sextas-feiras, Karina Gomes escreve crônicas sobre os hábitos alemães, com os quais ainda tenta se acostumar. A repórter da DW Brasil e DW África tem prêmios jornalísticos na área de sustentabilidade e é mestre em Direitos Humanos.

 

0 0 690 03 fevereiro, 2018 Em Alerta fevereiro 3, 2018

Sobre o autor

CEO e Fundador da 2/1 Revista Eletrônica, Relações Corporativas, Ombudsman, atuou no Jornal O GLOBO (GRUPO GLOBO), Diário da Tarde (Diários Associados), Diário do Comércio, Pohlig Heckel do Brasil (Grupo Belgo Mineira) e Diretor de Relações Públicas do Rotary Club.

Ver todos os artigos por Jean Hausemer

Postagens relacionadas

Artigos recentes

  • Governo disponibiliza Manual do Usuário Web Geral para auxiliar a inclusão de dados no eSocial
    Governo disponibiliza Manual do Usuário Web Geral para auxiliar a inclusão de dados no eSocial
  • Guilherme Afif Domingos defende micro e pequenas empresas durante encontro realizado pelo Secovi-SP
  • Acordo comercial UE-Japão desafia protecionismo de Trump
  • Após dezembro de 2018, Aneel não será mais responsável pela construção de redes e instalações de energia elétricas do Minha Casa, Minha Vida
  • Em crítica velada a Trump, Obama ataca “políticos valentões”
  • Cientistas dizem que edição genética pode ser eticamente aceitável
  • Ortega ataca bastião opositor na Nicarágua