Coladera inicia temporada dos shows no Brasil de seu novo disco, La Dôtu Lado
Publicado por

Coladera inicia temporada dos shows no Brasil de seu novo disco, La Dôtu Lado

 

Foto (da esquerda para a direita): João Pires, Miroca Paris e Vitor Santana

João Pires e Vitor Santana recebem convidados especiais no palco em Belo Horizonte. São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador estão na rota das próximas apresentações a partir de julho

 

 

Entre fevereiro e março de 2018, o Coladera lançou La Dôtu Lado, seu segundo álbum, na Europa. Foi uma turnê calorosa, como define João Pires. “Tocamos pela primeira vez em países como a Dinamarca, a Alemanha e repetimos Portugal e Holanda, onde cada vez mais temos mais ouvintes e público”. O projeto retorna ao Velho Mundo em outubro, mas antes ancora por terras brasileiras, numa temporada de shows que começa dia 5 de maio, sábado, às 21 horas no Sesc Palladium, na capital mineira.

Com uma ambientação especialmente pensada para o teatro, o espetáculo terá projeções que irão estimular o público a entrar na cadência rítmica e poética do duo. O Coladera estará acompanhado de presenças especias: Miroca Paris, percussionista e cantor cabo-verdiano, que acompanhou João e Vitor Santana nos últimos concertos; Aline Frazão, cantora angolana e Mário Lúcio, cantor e compositor cabo-verdiano, além de figura icônica em seu país. Ele foi fundador do grupo Simentera e também ex-ministro da Cultura de Cabo Verde.

O repetório passará por La Dôtu Lado e pinçará algumas faixas do disco de estreia. “Em quatro anos de estrada, percebemos que há músicas que são importantes para a nossa relação com o púbico e até para nós músicos entrarmos no clima”, explica João. Na toada dançante, que celebra a diversidade cultural da língua portuguesa, São Paulo, Rio de Janeiro e Salvador são as próximas cidades da turnê pelo Brasil.

Sobre o disco

 

La Dôtu Lado é segundo disco do Coladera (selo Scubidu) e faz, ao longo de suas 11 faixas, um passeio por vários ritmos como samba, xote, fado, lundo, funaná, entre outros. Em tom festivo confirma a proposta plural e singular de cada artista envolvido no projeto encabeçado pelo brasileiro Vitor Santana e pelo português João Pires, músicos e compositores que trabalham juntos há uma década. O cabo-verdiano Miroca Paris passa a somar na percussão e nos vocais,  esbanjando DNA musical e bagagem da mais alta qualidade: além de sobrinho do Tito Paris, uma verdadeira lenda em seu país, ele tocou por doze anos com Cesária Évora, eternizada como a rainha da morna. Marcos Suzano segue como colaborador afetivo e também efetivo no álbum.

Todas as canções são cantadas em português, com exceções da faixa-título, La Dôtu Lado, e de Primer Letra, ambas em língua crioula. A base afiada de violões salpicada por batuques vibrantes é combinada com sofisticação poética presente nas letras. Colaborativo e diverso, o trabalho explora diálogos que continentes são incapazes de separar. Os parceiros nas letras são: o escritor angolano José Eduardo Agualusa, autor de obras premiadas como A Conjura e Teoria Geral do Esquecimento, em A Luz de Yayá; o poeta português Márcio Silva em Céu Azulino; Ana Sofia Paiva, a contadora de histórias portuguesa, em Deserto do Sal;  a compositora brasileira Brisa Marques em Mandiga e Algum Lugar em Nós;  o cabo-verdiano Bilan assina Primer Letra  e Dino D’ Santiago, também de Cabo Verde, na faixa que dá nome ao disco.

O álbum conta com a presença das cantoras mineiras Nath Rodrigues e Raquel Coutinho. A angolana Aline Frazão empresta sua doçura no dueto de Mandinga. O time de músicos traz uma seleção de primeira: Marcos Suzano (percussão), Elmano Coelho (sax tenor), Diogo Duque (flugelhorn e trompete), Daniel Guedes (percussão), Francisco Valente (baixo) e André Xina, na programacão.

Língua e sotaques, pés no mar e olhar nas montanhas, o gingado e a introspecção, a origem e suas ressignificações permeiam La Dôtu Lado dando ao ouvinte a constante sensação de pertencimento. O brasileiro que não conhece Angola, o moçambicano que nunca pisou em Portugal, o cabo-veridiano que jamais explorou Timor Leste, assim por diante. Nada nos separa e tudo nos é familiar nessa cadência.

Sobre Coladera

 

O nome do projeto faz referência ao ritmo popular cabo-verdiano coladeira, nascido da morna, por sua vez originada de ritmos como o fado português e o lundum angolano, e influenciada pelo samba, pela rumba e pela cumbia. É símbolo deste fluxo vivo que constitui o encontro de diferentes matrizes da música popular iberoamericana, a um só tempo tradicional e mestiça, negra e branca, raiz e invenção.

Os mundos do Brasil, Portugal e Cabo Verde se fundem num diálogo baseado somente em violões, percussões e vozes, trazendo um ambiente sonoro rico em mesclas e mestiçagem. Ouvem-se ecos de África, do candomblé, do fado e do flamenco, do samba, da rumba e do mambo, um português com sotaques diferentes, a eletrônica nascida do acústico. Tudo isso da maneira mais crua, direta e autoral.

Para ouvir o disco nas plataformas digitais

Spotify – https://goo.gl/9Q56k8
Deezer –  https://goo.gl/iZ7Rkb

iTunes/Apple – https://goo.gl/9K2ptL

Bandcamp – https://goo.gl/WG1Qns

YouTube –  https://goo.gl/xWyTke

Coladera – Lançamento La Dôtu Lado

Dia 5 de maio, sábado, às 21 horas

Sesc Palladium – Rua Rio de Janeiro, 1046, Centro

Ingressos: com direito ao CD.

R$20,00 inteira

R$10,00 meia entrada

R$8,00 – Comerciários

Informações: (31) 3270-8100

Ingressos: https://wwwingressorapido.com.br/event/6698/d/28232

 

Para informações adicionais e agendamento de entrevistas, favor entrar em contato com:

 

 Noir Comunicação Total – Telefone: (31) 3297-1014 

Ângela Azevedo: (31) 99114-7229 e pelo e-mail: angela@noir.com.br

Facebook: https://www.facebook.com/noircomunicacao/

 

 

Midioteque – Ludmila Azevedo: (11) 97161-9753 e pelo

e-mail ludmila.azevedo@midioteque.com

0 0 430 19 abril, 2018 Agenda Cultural, Fique Por Dentro abril 19, 2018

Sobre o autor

CEO e Fundador da 2/1 Revista Eletrônica, Relações Corporativas, Ombudsman, atuou no Jornal O GLOBO (GRUPO GLOBO), Diário da Tarde (Diários Associados), Diário do Comércio, Pohlig Heckel do Brasil (Grupo Belgo Mineira) e Diretor de Relações Públicas do Rotary Club.

Ver todos os artigos por Jean Hausemer

Postagens relacionadas

Artigos recentes

  • Brexit leva a corrida por passaportes alemães
    Brexit leva a corrida por passaportes alemães
  • Os futuros elefantes brancos da Rússia
  • OBRAS DO MUSEU INIMÁ DE PAULA GANHAM IDENTIFICAÇÃO DIGITAL
  • Dia dos Namorados: Rede Meliá propõe um fim de semana inesquecível em seus hotéis
  • Letícia Sabatella no Sesiminas, com “A Vida em Vermelho – Brecht & Piaf” – 9 e 10/6
  • Sempre Um Papo infantil com Silvana Gontijo – Museu dos Brinquedos – 27/5- domingo -10h30 Hs
  • Ator global se hospeda no Meliá Ibirapuera