“BOCA DE OURO”, DE NELSON RODRIGUES, COM MALVINO SALVADOR, SOB A DIREÇÃO DE GABRIEL VILLELA
Publicado por

“BOCA DE OURO”, DE NELSON RODRIGUES, COM MALVINO SALVADOR, SOB A DIREÇÃO DE GABRIEL VILLELA

© João Caldas Fº

MINISTÉRIO DA CULTURA E INSTITUTO UNIMED-BH APRESENTAM

 

A história do lendário bicheiro carioca é contada a partir da versão de Villela, que cria uma encenação com aura de carnaval, embalada por grandes sucessos de época que vão de Dalva de Oliveira, Herivelto Martins, Ary Barroso, Ataulfo Alves, Lupicínio Rodrigues a João Bosco, entre outros. No elenco também estão Mel Lisboa, Claudio Fontana, Lavínia Pannunzio, Chico Carvalho, Leonardo Ventura, Cacá Toledo, Mariana Elisabetsky, Jonatan Harold e Guilherme Bueno. Em Belo Horizonte, montagem fará curta temporada no Grande Teatro do Palácio das Artes, com apresentações nos dias 17 e 18 de março (sábado às 21h e domingo às 19h).

Belo Horizonte, fevereiro de 2018 – Um lendário bicheiro carioca, figura temida e megalomaníaca, que carrega o nome de Boca de Ouro, é assassinado e tem o seu passado vasculhado por um repórter. A fonte da investigação é dona Guigui, ex-amante do contraventor, mulher que, ao longo da peça, revela diferentes e contraditórias versões do bicheiro. Este é o mote da tragédia carioca “Boca de Ouro”, de Nelson Rodrigues, escrita em 1959, cujo papel-título é vivido por Malvino Salvador, na montagem de Gabriel Villela, e que chega a Belo Horizonte para apresentações nos dias 17 e 18 de março (sábado às 21h e domingo às 19h), no Grande Teatro do Palácio das Artes. Estão ainda no elenco Mel Lisboa e Claudio Fontana, Lavínia Pannunzio, Leonardo Ventura e Chico Carvalho, além de Cacá Toledo e Guilherme Bueno, Jonatan Harold e Mariana Elisabetsky, interpretando as 14 canções do espetáculo.

O espetáculo, que tem realização do Ministério da Cultura e Governo Federal, abre a Edição 2018 da Temporada Pólobh que assegura a circulação, em Belo Horizonte, de grandes nomes das artes do Brasil e do mundo, com produção da Pólobh, patrocínios do Instituto Unimed-BH, MIP Engenharia e Pottencial Seguradora, viabilizados por meio da Lei Federal de Incentivo à Cultura, com apoio Cultural do Sesc em Minas, Telemont e Fundação Clóvis Salgado, e parceria estratégica com o Jornal O Tempo e Rádio Super Notícia e apoio da City Me, Fredizak, HBA, Mercure Lourdes, Sou BH e Viver Brasil.

Um cordão típico das gafieiras mais tradicionais do país abre a versão de Gabriel Villela para a tragédia carioca de Nelson Rodrigues. Usando confetes, serpentinas e máscaras, o diretor, responsável também pela cenografia e figurinos, cria uma encenação com aura de carnaval, embalada por 14 grandes sucessos que vão de Dalva de Oliveira, Herivelto Martins, Ary Barroso, Ataulfo Alves, Lupicínio Rodrigues a João Bosco, entre outros. Na trama, Boca de Ouro (Malvino Salvador) é um lendário bicheiro carioca, figura temida e megalomaníaca, que tem esse apelido porque trocou todos os dentes por uma dentadura de ouro. Quando o Boca é assassinado, seu passado é vasculhado pelo repórter Caveirinha (Chico Carvalho) – personagem que carrega em si o olhar afiado e crítico de Nelson Rodrigues – jornalista que durante anos trabalhou em redações e conhece os vícios e contradições da imprensa. Caveirinha vai até a casa de Guigui (Lavínia Pannunzio) e lá ouve a versão da ex-amante de Boca, que desanca o bicheiro. Ao saber de seu assassinato, Guigui se arrepende e exalta Boca como uma figura amorosa. Já no terceiro ato, Guigui volta a desancar o bicheiro, pois teme ser abandonada pelo marido Agenor (Leonardo Ventura). Nas três versões relatadas, surge o casal Celeste (Mel Lisboa) e Leleco (Claudio Fontana), que tem relação direta com o assassinato de Boca de Ouro.

 

“Essa peça foi muito importante na minha carreira pelo aprendizado que eu adquiri, por ter dividido o palco com grandes atores, por conhecer o universo do Gabriel Villela, que é um dos nossos maiores diretores, que tem uma personalidade vibrante, impressa nas suas montagens. Para mim está sendo muito importante trazer Boca de Ouro aqui para Belo Horizonte. Depois de uma temporada de sucesso em São Paulo e Rio de Janeiro, tanto de público quanto de crítica, a peça tem o potencial de chegar aqui de uma maneira muito bonita, é isso que eu espero”, diz Malvino Salvador.

As diferentes versões da personagem Guigui para a morte de Boca de Ouro levaram Gabriel Villela a fazer conexões com uma pesquisa recente da universidade de Harvard, sobre um fenômeno contemporâneo chamado “pós-verdade”. “É um produto da modernidade tecnológica: você inventa uma história, realinha ideias, publica, arruma vários seguidores e isso se amplia, viraliza na internet e ninguém mais sabe sobre o que se está falando. Somos todos vítimas disso. A Guigui é insuperável – com três expedientes emocionais e psíquicos, ela conta três vezes a mesma história, embaralhando com maestria para que tudo seja incrivelmente verdadeiro”, diz Gabriel Viellela.

Esta é o terceiro texto de Nelson Rodrigues encenado por Gabriel Villela. Em 1994 montou A Falecida, com Maria Padilha no papel título, e em 2009 Vestido de Noiva, protagonizado por Leandra Leal, Marcello Antony e Vera Zimmerman.

A MONTAGEM

A ambientação idealizada por Gabriel Villela remete a uma gafieira, com mesas e cadeiras, revezando-se entre uma redação de jornal e as casas dos personagens. Dentro das iconografias do subúrbio carioca, Gabriel se utiliza da simbologia do Candomblé e das mascaradas astecas no espetáculo. A casa de Celeste e Leleco traz muitas representações de Orixás sincretizados. A figura de Iansã (Guilherme Bueno) aparece toda vez que uma cena de morte acontece – ela faz a contra-regragem das mortes.

O Brasil retratado na cena: a política, as narrativas contraditórias, a libido, a festa da gafieira, o jogo do bicho, a fé e a música. Retratos de uma época que nos mostram que o Brasil pouco mudou, e que o dramaturgo nascido em Pernambuco em 1912 e radicado no Rio de Janeiro, nunca foi tão atual.

Além da direção, Gabriel Villela assina os figurinos e a cenografia. A iluminação é de Wagner Freire, a direção musical e preparação vocal são assinadas por Babaya e a espacialização e antropologia da voz por Francesca Della Monica. Os diretores assistentes Ivan Andrade e Daniel Mazzarolo completam a equipe criativa.

CRÍTICA

“(Villela) Coloca no palco do Tucarena não só um carrossel de referências visuais, de imagens que remetem sequencialmente para todo lado, mas as integra com riqueza de significados ao texto rodriguiano – e às atuações, elas também com abundância de registros, inspirada no autor. São grandes atuações, a começar do personagem-título, que na caracterização de Malvino Salvador, dirigido por Villela, se mostra alternadamente frágil como uma criança, monstruoso e cinicamente inteligente. Já conhecido pela densidade que demonstrou em montagens cariocas, Salvador ganha agora ares de ator pleno, pronto para grandes papéis.” (Nelson de Sá, Folha de São Paulo)

“Há soluções cênicas dignas de nota, resultado da combinação entre engenho, objetos do cotidiano e uma apurada iluminação. O tamborilar de dedos na mesa reproduz à perfeição o som das máquinas de escrever, varas de bambu tomam o lugar de adagas japonesas e taças de vidro cumprem o papel de telefones. (…) Ainda que se trate de um traço recorrente na trajetória desse criador, a exuberância visual aqui alcança patamar distinto de seus trabalhos mais recentes. Em Boca de Ouro, a beleza de uma cena não se encerra em si; o apuro estético está a serviço do conjunto.” (Maria Eugenia de Menezes Estadão)

“Costumo escrever a matéria de um espetáculo um ou dois dias após a ele ter assistido, mas quando o deslumbramento é muito grande procuro dar um tempo, esperar a poeira baixar e então voltar a ele, com menor perigo de adjetivar demais. Já faz uma semana que assisti Boca de Ouro e ainda me sinto tocado pela beleza e perfeição da leitura de Gabriel Villela para o texto de Nelson Rodrigues.” (José Cetra, Palco Paulistano).

 

RELACIONAMENTO COM A IMPRENSA

Árvore Gestão de Relacionamento (31) 3194-8700

Direção: Rafael Araújo

Atendimento:

Cristina Sanches – (31) 3194 8722 |(31) 9 8489 2098

cristina@aquitemarvore.com.br

Gleyzi Baessa – (31) 3194 8722 | (31) 9 9652 4846

gleyzi@aquitemarvore.com.br

 

 

Serviço

Dias: 17 e 18 de março (sábado, às 21h, e domingo, às 19h)

Local: Grande Teatro do Palácio das Artes

Valores: Plateias I e II – R$ 60,00 (inteira) e R$ 30,00 (meia entrada)| Plateia III – R$ 50,00 (inteira) e R$ 25,00 (meia entrada)

Ingressos à venda nas bilheterias do teatro ou pelo site www.ingressorapido.com.br

Duração de cada apresentação: 100min

Classificação: 14 Anos

Informações: (31) 3236-7400

Créditos

Ministério da Cultura e Instituto Unimed-BH apresentam

Malvino Salvador em Boca de Ouro

Incentivo: Lei Federal de Incentivo à Cultura

Apresenta: Instituto Unimed-BH (Patrocínio Viabilizado pelo Incentivo de Pessoas Físicas)

Patrocínio Local: Mip Engenharia | Pottencial Seguradora

Apoio Cultural: Telemont | Sesc em Minas | Fundação Clóvis Salgado

Media Partner: Jornal O Tempo e Rádio Super Notícia

Apoio: City Me, Fredizak, HBA, Mercure Lourdes, Soubh e Viver Brasil

Produção: Pólobh

Realização: Ministério da Cultura e Governo Federal, Brasil – Ordem e Progresso

Ficha técnica

Elenco:

Malvino Salvador – Boca de Ouro

Lavínia Pannunzio – Guigui

Mel Lisboa – Celeste

Claudio Fontana – Leleco e Dentista

Chico Carvalho – Caveirinha e Maria Luísa

Leonardo Ventura – Agenor e Primeira grã-fina

Cacá Toledo – Secretário, Segunda grã-fina, Locutor

Guilherme Bueno – Fotógrafo, Terceira grã-fina, Iansã

Mariana Elisabetsky – Cantora

Jonatan Harold – Maestro

Texto: Nelson Rodrigues

Direção, Cenografia e Figurinos: Gabriel Villela

Diretores Assistentes: Ivan Andrade e Daniel Mazzarolo

Direção Musical e Preparação Vocal: Babaya Morais

Espacialização e Antropologia da Voz: Francesca della Monica

Arranjos Musicais, Colaboração Musical e Piano: Jonatan Harold

Direção de Movimento: Rosely Fiorelli

Iluminação: Wagner Freire

Assistente de Iluminação: Alessandra Marques

Assistente de Figurinos: NourKoeder

Coordenação do Ateliê: José Rosa e Ana Lucia Laurino

Maquiagem: Claudinei Hidalgo

Assistente de Maquiagem: Gil Oliveira

Cenotécnico: Wanderley Wagner

Serralheiro: Fernando Zimolo

Fotografia: João Caldas Fº

Assistência de Fotografia: Andréia Machado

Programação Visual: Dib Carneiro Neto, Jussara Guedes e Suely Andreazzi

Tratamento das Imagens: Carlos Pedretti

Assessoria de Imprensa: Pombo Correio

Camareira: Ana Lucia Laurino

Direção de Palco: Alexander Peixoto

Operador de Luz e Som: Cleber Eli

Coordenação galpão de ensaios: Mara Santiago

Produção Executiva: Luiz Alex Tasso

Direção de Produção: Claudio Fontana

MÚSICAS

Cidade Maravilhosa (Andre Filho)

Vingança (Lupicínio Rodrigues)

Ave Maria do Morro (Herivelto Martins)

Lencinho Branco (Dalva de Oliveira)

A Noite do Meu Bem (Dolores Duran)

Na Cadência do Samba (Ataulfo Alves)

Ne Me Quittes Pas (Jacques Brel)

Última Estrofe (Orlando Silva)

Eu Dei (Ary Barroso)

O Ouro e A Madeira (Ederaldo Gentil)

Hino ao Amor (Edith Piaf / M. Monnot)

Não Deixe o Samba Morrer (Edson Conceição e Aloísio Silva)

Bang Bang – My Baby Shot Me Down (Sonny Bono)

De Frente Pro Crime (João Bosco)

 

 

GABRIEL VILLELA – diretor

Gabriel Villela estudou Direção Teatral na USP. É diretor, cenógrafo e figurinista. Iniciou sua carreira profissional em 1989 com VOCÊ VAI VER O QUE VOCÊ VAI VER, de Raymond Queneau, e O CONCÍLIO DO AMOR, de Oscar Panizza. Desde então, recebeu 3 Prêmios Molière, 3 Prêmios Sharp, 12 Prêmios Shell, 10 Troféus Mambembe, 6 Troféus APCA, da reconhecida Associação Paulista de Críticos de Arte, 5 Prêmios APETESP, da Associação de Produtores de Espetáculos Teatrais de São Paulo, 2 Prêmios PANAMCO e 1 Prêmio Zilka Salaberry.

Encenou Camus (CALÍGULA), Heiner Muller (RELAÇÕES PERIGOSAS), Calderón de La Barca (A VIDA É SONHO), Schiller (MARY STUART), William Shakespeare (MACBETH, RICARDO III e ROMEU E JULIETA), Strindberg (O SONHO), e os dramaturgos brasileiros Nélson Rodrigues (A FALECIDA e VESTIDO DE NOIVA), Arthur Azevedo (O MAMBEMBE), João Cabral de Melo Neto (MORTE E VIDA SEVERINA), Carlos Alberto Soffredini (VEM BUSCAR-ME QUE AINDA SOU TEU), Dib Carneiro Neto (SALMO 91 e UM RÉQUIEM PARA ANTONIO) e Luís Alberto de Abreu (A GUERRA SANTA) e Alcides Nogueira (VENTANIA, A PONTE E A ÁGUA DE PISCINA). Dirigiu uma trilogia de musicais de Chico Buarque para o TBC:ÓPERA DO MALANDRO, OS SALTIMBANCOS e GOTA D’ÀGUA. Dirigiu shows de artistas como Elba Ramalho, Maria Bethânia, Milton Nascimento e Ivete Sangalo, musicais, óperas, dança e especiais para TV. Foi Diretor Artístico do Teatro Glória/RJ (1997/99) e também do TBC Teatro Brasileiro de Comédia/SP (2000/01).

Tornou-se um dos mais renomados diretores teatrais com reconhecimento internacional, sendo convidado a participar de Festivais nos EUA, Europa e América Latina. Com o Grupo Galpão (ROMEU E JULIETA), Gabriel Villela foi convidado para uma temporada no Globe Theatre, em Londres, conquistando a crítica e o exigente público londrino. O espetáculo voltou a Londres em 2012 para participar da OLIMPÍADA CULTURAL, evento paralelo aos Jogos Olímpicos de 2012, em Londres.

Seus últimos trabalhos foram HOJE É DIA DE ROCK, de Zé Vicente e BOCA DE OURO, de Nelson Rodrigues (2017), RAINHAS DO ORINOCO, de Emilio Carballido, com Walderez de Barros e PEER GYNT, de Ibsen, com Mel Lisboa e Chico Carvalho, em 2016, A TEMPESTADE (2015) com Celso Frateschi, UM RÉQUIEM PARA ANTONIO (2014), com Elias Andreato e Claudio Fontana, OS GIGANTES DA MONTANHA (2013), de Pirandello, com o Grupo Galpão e MANIA DE EXPLICAÇÃO, com Luana Piovani. Em 2012, MACBETH, com Marcello Antony e Claudio Fontana.  Também dirigiu VESTIDO DE NOIVA, de Nelson Rodrigues, com Leandra Leal e Marcello Antony (2009), CALÍGULA, de Albert Camus, com Thiago Lacerda (2008/09/10) O SOLDADINHO E A BAILARINA (2010), com Luana Piovani, SUA INCELENÇA RICARDO III com o Grupo Clowns de Shakespeare. Dirigiu também em 2011 CRÔNICA DA CASA ASSASSINADA, com Xuxa Lopes, adaptação do livro de Lucio Cardoso, que lhe rendeu o Prêmio SHELL de Melhor Figurinista e indicação a Melhor Direção e HÉCUBA, de Eurípides, com Walderez de Barros.

Crédito da foto: João Caldas

Realização:

0 0 2930 17 fevereiro, 2018 Agenda Cultural, Eventos/Moda fevereiro 17, 2018

Sobre o autor

CEO e Fundador da 2/1 Revista Eletrônica, Relações Corporativas, Ombudsman, atuou no Jornal O GLOBO (GRUPO GLOBO), Diário da Tarde (Diários Associados), Diário do Comércio, Pohlig Heckel do Brasil (Grupo Belgo Mineira) e Diretor de Relações Públicas do Rotary Club.

Ver todos os artigos por Jean Hausemer

Postagens relacionadas

Artigos recentes

  • As últimas cegonhas de Berlim
    As últimas cegonhas de Berlim
  • Opinião: A América se faz menor do que nunca
  • Quanto recebe um refugiado na Europa?
  • Mundo tem recorde de pessoas deslocadas
  • Dobra busca por refúgio no Brasil
  • SKEMA BUSINESS SCHOOL CHEGA AO BRASIL PARA FORMAR EXECUTIVOS GLOBAIS
  • VII Fliaraxá com o tema “Alma, Leitura e Revolução”