As últimas cegonhas de Berlim
Publicado por

As últimas cegonhas de Berlim

COLUNA CHECKPOINT BERLIM

Norte da capital alemã abriga três últimos casais da espécie. Projeto imobiliário pode afastar aves da cidade, que vive dilema entre preservar a natureza e resolver problema habitacional.

    
Cegonhas                                                                                             Desde 1930, Alemanha perdeu metade de sua população de cegonhas devido à ação humana

Eu não tinha ideia de que havia cegonhas em Berlim, mas recentemente, ao ler jornal, descobri que algumas dessas aves habitam a cidade durante os meses de primavera e verão. O número é pequeno: no máximo três casais vivem no norte da capital alemã. Neste ano, dois já estão acomodados em seus ninhos em Malchow e Falkenberg.

São as últimas cegonhas que escolheram Berlim como morada para a temporada na Europa, e segundo ativistas, sua permanência na cidade está ameaçada. Os planos para a construção de prédios residenciais podem expulsar de vez a espécie. Os conjuntos habitacionais planejados devem ter cerca de 10 mil apartamentos.

A cidade se depara agora com um dilema: preservar a natureza ou resolver um problema social que se agrava em ritmo alarmante? Berlim não para de receber novos moradores e precisa urgentemente de novas moradias para abrigar todos e também para tentar conter a especulação imobiliária com o aumento da oferta.

Clarissa Neher                                                                                                                                  A jornalista Clarissa Neher vive em Berlim desde 2008

A grande contradição neste caso é que, para resolver a questão habitacional, que está inflacionando o valor do aluguel, alguns espaços verdes precisariam ser sacrificados.

No caso específico, os defensores das cegonhas afirmam que a construção dos conjuntos residenciais vai diminuir massivamente o espaço verde onde as aves encontram alimento, como insetos, sapos e ratos.

Para preservar as cegonhas berlinenses, os ativistas argumentam que a região comporta no máximo mil novos apartamentos e pretendem solicitar às autoridades um estudo abrangente sobre a questão. Caberá à prefeitura decidir se volta atrás nos planos e desautoriza as construções, que deveriam se dar ao longo de vários anos.

A diminuição no número de cegonhas, porém, não ocorre somente em Berlim, mas em toda a Alemanha. Desde 1930, o país perdeu metade de sua população da espécie devido à ação humana.

Clarissa Neher é jornalista freelancer na DW Brasil e mora desde 2008 na capital alemã. Na coluna Checkpoint Berlim, publicada às segundas-feiras, escreve sobre a cidade que já não é mais tão pobre, mas continua sexy.

Autoria Clarissa Neher

Fonte: Deutsche Welle

0 0 270 20 junho, 2018 Cultura Organizacional junho 20, 2018

Sobre o autor

CEO e Fundador da 2/1 Revista Eletrônica, Relações Corporativas, Ombudsman, atuou no Jornal O GLOBO (GRUPO GLOBO), Diário da Tarde (Diários Associados), Diário do Comércio, Pohlig Heckel do Brasil (Grupo Belgo Mineira) e Diretor de Relações Públicas do Rotary Club.

Ver todos os artigos por Jean Hausemer

Postagens relacionadas

Artigos recentes

  • A morte do sandinismo histórico
    A morte do sandinismo histórico
  • A inflexibilidade alemã
  • VAMP O MUSICAL – COM CLAUDIA OHANA E NEY LATORRACA NO ELENCO
  • Riviera lança álbum “Aquário” no Cine Theatro Brasil Vallourec
  • Inscrições abertas para o curso técnico em enfermagem da Escola Técnica Santa Casa BH
  • Retrato desenhado a mais de 198 anos, por Jean Antoine Felix Dissandes de Monlevade.
  • Arthur Melo faz show de pré lançamento do seu novo disco em BH