Adriana Passos – homenagem ao avô Arnaldo Passos
Publicado por

Adriana Passos – homenagem ao avô Arnaldo Passos

                                                                                                                          Adriana Passos dedica CD ao samba de sua família

 

“Sal do Samba” homenageia o avô Arnaldo Passos, com regravações de alguns de seus sucessos compostos em parceria com Geraldo Pereira, Monsueto e Luis Vieira, como “Mora na Filosofia”, “Samba bom”, “Escurinha” e “Ministério da Economia”. Obras paternas, de Aldo Passos, autorais e de compositores contemporâneos completam o novo disco 

Trazendo, literalmente, o samba na veia, a carioca Adriana Passos foi criada na tradição do samba, desde muito cedo, participando das rodas caseiras promovidas por seu pai, Aldo Passos, também compositor e parceiro. E herdando também a ginga sambista de seu avô, Arnaldo Passos, um dos expoentes de sua geração, compondo ao lado de Geraldo Pereira, Monsueto e Luis Vieira. Foi buscando exatamente resgatar sua obra – foi autor de “Mora na Filosofia”, “Menino de Braçanã”, “Escurinha”, “Samba Bom” e tantos outros sucessos cantados e gravados ainda hoje – que a cantora lança seu novo trabalho, o CD “Sal do Samba”, incluindo também composições próprias e inéditas de compositores que vem se destacando no atual cenário musical, como Adler São Luiz, Ednaldo Lima, Marco Jabú, Ricardo Mansur, Augusto Bapt e Rodrigo Braga.

Contando com a participação especial de Moyses Marques, o CD “Sal do Samba” reúne ritmos como côco, tambor de Criôla e jongo ao samba tradicional de Arnaldo Passos, com o frescor da renovação e espiritualidade, tão caro a Adriana Passos. O passeio pela obra do avô começa já em “Mora na Filosofia”, samba canção que o consagrou na música brasileira, composto ao lado de Monsueto, um sucesso de 1952 cantado por Caetano Veloso, Maria Bethânia e muitos outros.  “Escurinha”, “Samba bom” e “Boca rica”, sambas genuínos do estilo da época, foram parcerias de Arnaldo Passos  com Geraldo Pereira, odes à boemia, à malandragem e ao romantismo daquela geração. Outra parceria com Geraldo Pereira, “Ministério da Economia” aborda a criação do ministério da economia e a esperança de melhoria de vida para a população proletária brasileira, já bastante sofrida. Ainda no espírito do resgate e da tradição, a cantora dá novos contornos cânticos a “Mais que Saudade”, sua primeira parceria com seu pai, Aldo, um samba canção sobre um amor antigo. A trip hereditária é retomada em “Saravá”, segunda composição da cantora com seu pai, e concluída, posteriormente, já falecido, com Ricardo Moreno.

A jornada musical pula o muro da genética com “Bateu Tambô”, primeira música gravada profissionalmente por Adriana Passos, na época como backing vocal, para o maranhense Adler São Luis. Dos parceiros Marco Jabu e Ricardo Mansur, “Lôco de Côco” narra uma lenda baiana composta em ritmo de côco. Já “Dona Maria”, composição do percussionista Eurico Zen, parceiro de longa data, ganha o registro tipicamente de uma música ribeirinha brasileira. De sua própria autoria, a cantora canta em “Nação” a luta e o desafio de ser brasileiro, com honestidade, desejando uma verdadeira transformação. Jongo de Augusto Bapt e Rodrigo Braba, parceiros da extinta banda CAIXA PRETA, “Cachanga Rosa” foi cantada por Adriana pela primeira vez ao lado de Seu Jorge, na inauguração do hoje famoso palco carnavalesco dos Arcos da Lapa. O disco ganha pincelada final com “Xodó de Mãe”, música cedida por Dudu Nobre, aqui igualmente muito bem executada pela mesma banda que o acompanha.

Adriana Passos

Talento precoce, aos 18 anos Adriana Passos já era atriz formada pela CAL – CASA DE ARTES DE LARANJEIRAS – e participou da “Companhia de Menestréis” de Oswaldo Montenegro onde atuou como cantora e atriz por três anos. Decidindo-se pela música, formou-se pela UNI-RIO e ganhou as noites no eixo – Rio de Janeiro, São Paulo, Minas Gerais e Bahia, até partir para uma turnê de três anos pelos EUA – Miami, Boston e Nova York.

De volta ao Brasil mergulha na essência rítmica da nossa música, participando ativamente do movimento de resistência cultural da Pedra do Sal nos anos 2000 – O Sal do Samba. Acompanhada pelo Grupo Panela de Barro, Adriana se junta a grandes sambistas, como Camunguelo, Velha Guarda da Portela, Monarco e a madrinha Beth Carvalho reconquistando o tradicional espaço da cultura carioca.

 

Youtube – videos de performances ao vivo, incluindo o recente show no Teatro Rival, no Rio, (dezembro, 2017)

https://www.youtube.com/channel/UCFgvBcmZbT3FiQPvn2n2oiA

 

Vídeo pesquisa sobre a obra de Arnaldo Passos https://www.youtube.com/watch?v=Z1YqIIOhAqw&feature=youtu.be

 A cantora fez um resgate incrível, em forma de vídeo e digitalização de um livro de memórias do avô, por favor, assista a esse link e ateste a PROFUNDIDADE desta pauta incrível:
Seguem alguns videos do show de lançamento no Teatro Rival, que dão o tom de sua interpretação e performance!
0 0 680 18 julho, 2018 Agenda Cultural, Eventos/Moda julho 18, 2018

Sobre o autor

CEO e Fundador da 2/1 Revista Eletrônica, Relações Corporativas, Ombudsman, atuou no Jornal O GLOBO (GRUPO GLOBO), Diário da Tarde (Diários Associados), Diário do Comércio, Pohlig Heckel do Brasil (Grupo Belgo Mineira) e Diretor de Relações Públicas do Rotary Club.

Ver todos os artigos por Jean Hausemer

Postagens relacionadas

Artigos recentes

  • MORARMAIS BH18 IMPERDÍVEL
    MORARMAIS BH18 IMPERDÍVEL
  • 21/8 – próxima terça – Nilton Bonder no Sempre Um Papo
  • Merkel e Putin visam novo molde para solução síria
  • Irã anuncia nova arma “contra EUA e Israel”
  • Após conflito, 1.200 venezuelanos deixam Roraima
  • CONDOMÍNIOS CORREM RISCO DE TEREM PREJUÍZOS EXPRESSIVOS  COM INCÊNDIO E VÍCIOS DE CONSTRUÇÃO
  • Cuidado. Seu voto pode custar caro