Populistas de direita europeus querem fim da UE
Publicado por

Populistas de direita europeus querem fim da UE

UNIÃO EUROPEIA

Reunida em Praga, bancada ultradireitista do Parlamento Europeu ataca Bruxelas como “ameaça existencial” às nações e “organização desastrosa”. Clima contra UE, imigração e islã é forte na República Tcheca.

Da esq., Le Pen, Okamura e Wilders em Praga, sob o slogan Por uma Europa de nações soberanasDa esq., Le Pen, Okamura e Wilders em Praga, sob o slogan “Por uma Europa de nações soberanas”

Populistas de direita de toda a Europa, reunidos na capital da República Tcheca, Praga, neste sábado (16/12), exigiram o fim da União Europeia na forma atual. Entre os participantes do congresso da bancada Europa das Nações e da Liberdade (ENF), do Parlamento Europeu, estavam os líderes partidários Marine Le Pen (Frente Nacional, FN, da França) e Geert Wilders (Partido para a Liberdade, PVV, da Holanda).

“Bruxelas é uma ameaça existencial a nossos Estados nacionais”, acusou Wilders. Le Pen criticou a “organização desastrosa”. Entre os alvos preferenciais dos ultradireitistas estão os migrantes: “Espero que os tchecos mantenham suas portas firmemente fechadas contra a imigração em massa”, comentou o político holandês, louvando a postura dos países do leste da UE.

A União Europeia está atualmente processando a República Tcheca, Hungria e Polônia por se recusarem a cumprir as quotas de acolhimento de refugiados. O político anfitrião do encontro, Tomio Okamura, do Partido Liberdade e Democracia Direta (SPD) tcheco, afirmou existir a ameaça de uma “colonização muçulmana da Europa”.

Apenas algumas centenas de cidadãos atenderam à conclamação de grupos de esquerda para uma passeata de protesto. Diante do hotel onde se realizou o encontro do ENF, os manifestantes gritavam “Vergonha!” e portavam faixas com dizeres como “Justiça social em vez de racismo, nacionalismo e xenofobia”. A polícia adotou medidas de segurança severas, inclusive com a mobilização de um helicóptero.

A escolha da capital tcheca como local do congresso não foi acaso: ao que tudo indica, nesse país os anti-UE contam com um considerável potencial de aceitação para seus pontos de vista radicais. Nas eleições de outubro, o partido de extrema direita de Okamura obteve 22 dos 200 mandatos parlamentares, com sua linha dura contra os refugiados e o islamismo.

O SPD tcheco também poderá ser uma força decisiva para a permanência do governo minoritário do populista Andrej Babis em Praga. Segundo sondagem do Eurobarometer, apenas 33% dos tchecos consideram positiva a filiação de seu país à União Europeia, apresentando a menor pró-europeia entre todos os 28 Estados-membros da comunidade.

Fonte: Deutsche Welle 

0 0 600 17 dezembro, 2017 Acontecimentos dezembro 17, 2017

Sobre o autor

CEO e Fundador da 2/1 Revista Eletrônica, Relações Corporativas, Ombudsman, atuou no Jornal O GLOBO (GRUPO GLOBO), Diário da Tarde (Diários Associados), Diário do Comércio, Pohlig Heckel do Brasil (Grupo Belgo Mineira) e Diretor de Relações Públicas do Rotary Club.

Ver todos os artigos por Jean Hausemer

Postagens relacionadas

Artigos recentes

  • Agência alemã para refugiados acusada de irregularidades
    Agência alemã para refugiados acusada de irregularidades
  • Cotação do real em relação ao euro e ao dólar
  • Campanha contra “detetives da previdência” mobiliza suíços
  • Dez morrem em protestos contra reforma da previdência na Nicarágua
  • Loja colaborativa e aceleradora de pequenos empreendimentos locais, Mooca, lança marketplace online
  • Sempre Um Papo realiza a festa “São Jorge de Rosas e Livros” no dia 23 de abril, na Praça da Liberdade 
  • MINISTÉRIO DA CULTURA E BRADESCO SEGUROS APRESENTAM “CINDERELLA, O MUSICAL”