Opinião: México aprendeu lições do passado
Publicado por

Opinião: México aprendeu lições do passado

América Latina

Pode-se questionar se não poderia ter sido feito mais, mas seria um erro e uma injustiça ignorar avanços nos preparativos contra terremotos, opina a chefe da redação online em espanhol da DW, Claudia Herrera-Pahl.

Que a terra volte a tremer no México neste 19 de setembro, justamente 32 anos depois do devastador terremoto de 1985, com mais de 10 mil mortos, é uma coincidência tão improvável como ser alvo de um raio no deserto. Mas aconteceu: a terra voltou a tremer neste mesmo dia, que é marcado por simulações em escritórios e escolas desde aquela fatídica quinta-feira de 1985. Ao menos 44 edifícios desabaram na capital, e milhões de pessoas ocuparam as ruas, apavoradas, em busca de proteção. O número de mortos, entre eles escolares que não conseguiram sair a tempo de suas salas, subiu para mais de 217 pessoas enquanto escrevo este artigo. É muito provável que suba ainda mais.

É um dia de tristeza profunda, que nos mostra, mais uma vez, a força da natureza, e nos lembra como os seres humanos são vulneráveis. Mas dias como este no mostram também que, nos últimos 32 anos, as centenas de tremores e furacões que ocorreram deixaram, para além da profunda tristeza e vazio por aqueles que perdemos, progressos importantes e visíveis.

Sem querer minimizar a tragédia que representa cada uma das mortes contabilizadas pelo furacão Irma nos Estados Unidos, em Cuba e nos demais países do Caribe, pelo terremoto de Oaxaca e pelo furacão Maria, as últimas semanas de furacões devastadores e fortes tremores mostram que os governos e sociedades da região aprenderam e implementaram as lições do passado.

O México se encontra numa das zonas de atividade sísmica mais fortes do mundo, e as ilhas caribenhas, numa região de furacões. Isso não pode ser mudado. Pode-se sempre questionar se não poderia ter sido feito mais numa região propensa a terremotos e furacões, mas seria um erro e uma injustiça ignorar os avanços em estratégias de comunicação e informação, em técnicas de simulação, em medidas de emergência e criação de refúgios alcançados até agora.

O número de vítimas é muito alto, e os danos materiais são incalculáveis, mas jamais – ao menos este é o desejo e a esperança – voltarão a se registrar as cifras daquele ano fatal de 1985, que ficou gravado na memória de toda uma nação. E furacões monstruosos, como o Irma, tampouco têm podido com comunidades organizadas.

“Que Deus proteja os mexicanos, estamos com eles.” São apenas nove palavras, mas nove que, vindo de Donald Trump, demonstram que, perante a adversidade, temos apenas uns aos outros, e ao final nem mesmo a mais moderna tecnologia é capaz de estender uma ponte tão forte como a da solidariedade humana. Sem dúvida há muito por fazer e deve ser feito logo. De cada escombro deve sair algo positivo. Juntos, podemos alcançar isso.

Resta dizer que, em momentos como este, vocês não estão sós – nós estamos com vocês.

  • Autoria Claudia Herrera-Pahl (as)
  • Fonte:Deutsche Welle
0 0 880 21 setembro, 2017 Acontecimentos setembro 21, 2017

Sobre o autor

CEO e Fundador da 2/1 Revista Eletrônica, Relações Corporativas, Ombudsman, atuou no Jornal O GLOBO (GRUPO GLOBO), Diário da Tarde (Diários Associados), Diário do Comércio, Pohlig Heckel do Brasil (Grupo Belgo Mineira) e Diretor de Relações Públicas do Rotary Club.

Ver todos os artigos por Jean Hausemer

Postagens relacionadas

Artigos recentes

  • Lançamento em MG do livro Canto Mineral, Drummond+Bracher
    Lançamento em MG do livro Canto Mineral, Drummond+Bracher
  • Especialistas debatem novidades no tratamento do Câncer de Pulmão em Workshop gratuito
  • Setor comemora decisão do STJ de transferir ao adquirente de imóvel do PMCMV o pagamento da comissão de corretagem
  • Caixa Econômica Federal, gestora do FI-FGTS, quer mais transparência, melhor governança e equidade de condições entre os investidores do Fundo
  • Evento gratuito | Autismo sem barreiras (23 de junho)
  • Festa junina do Minas Tênis Clube aposta na conscientização sobre a preservação do Cerrado
  • Fuga da América Central é única opção para muitos