Facebook quer parar cobrança de cliques involuntários
Publicado por

Facebook quer parar cobrança de cliques involuntários

Plataforma pretende diminuir distorções criadas por usuários que esbarram em anúncios de sua networkPor Garret Sloane, da Advertising Age*

O Facebook deixará de cobrar das marcas em situações que o usuário clicou “sem querer” num anúncio. A empresa pretende diminuir as distorções criadas medindo o tempo que a pessoa fica dentro do site redirecionado pelo anúncio. Isso acontece, principalmente, quando a pessoa está no celular e esbarra o dedo em partes da tela.

Se o usuário voltar ao aplicativo de origem em menos de dois segundos a empresa que pagou pelo anúncio não será cobrada pelo click. Isso porque a movimentação indicaria que a pessoa não pretendia entrar na página, segundo Brett Vogel, diretor de marketing de produtos do Facebook.

A rede social também está atualizando requerimentos nos formatos dos anúncios para que eles sejam mais lentos entre o clique e o envio de sugestão de página à outras pessoas.

Paywall no Facebook é demanda antiga dos veículos

O Facebook Audience Network (FAN) é uma plataforma feita para veicular anúncios fora da rede social. Normalmente, os produtos desse formato são jogos, aplicativos e produtores de conteúdo. Essa mudança só acontecerá na mídia distribuída pelo FAN, porque é onde se concentram anúncios “caça-cliques”. Nesses casos, o Facebook entende que os ads que visam ganhar dinheiro no sistema pay-per-click “podem ser lucrativos em curto-prazo, mas no longo prazo não agregam nenhum valor para as pessoas ou para os anunciantes”, afirma Vogel.

De acordo com um estudo realizado pelo Pixalate, 5,8% dos cliques em anúncios da plataforma do Facebook foram feitos involuntariamente. A FAN é majoritariamente usada em aplicativos para celulares.

Segundo fontes ouvidas pela Advertising Age, otimizar a solução de métrica contra os cliques involuntários parece ser a chave para resolver esse tipo de propaganda caça-clique. “Nós estamos tentando tirar nossos clientes dessas métricas distorcidas”, diz Floriana Nicastro, gerente de soluções em produtos da MediaMath.

Tradução: Salvador Strano

 Fonte:m&m
0 0 1110 09 agosto, 2017 2por1, Cultura Organizacional agosto 9, 2017

Sobre o autor

CEO e Fundador da 2/1 Revista Eletrônica, Relações Corporativas, Ombudsman, atuou no Jornal O GLOBO (GRUPO GLOBO), Diário da Tarde (Diários Associados), Diário do Comércio, Pohlig Heckel do Brasil (Grupo Belgo Mineira) e Diretor de Relações Públicas do Rotary Club.

Ver todos os artigos por Jean Hausemer

Postagens relacionadas

Artigos recentes

  • PSL oficializa candidatura de Bolsonaro à Presidência
    PSL oficializa candidatura de Bolsonaro à Presidência
  • Forças armadas alemãs consideram recrutar estrangeiros
  • Arthur Melo faz show de pré lançamento do seu novo disco em BH
  • Israel resgata na Síria membros de grupo de socorro
  • BH se rende a “malandra” Anitta – 4 de agosto
  • Irã ameaça EUA com “mãe de todas as guerras”
  • O frio causa desânimo. Mas não é só ele