Contrato: instrumento importante na aquisição do imóvel
Publicado por

Contrato: instrumento importante na aquisição do imóvel

Redação amadora do contrato favorece problemas

A compra do imóvel é sem dúvida um dos momentos mais importantes na vida de uma pessoa. Representa um sentimento de independência, crescimento pessoal e realização. A maioria das pessoas trata a compra do imóvel como um projeto de vida, muitas vezes só alcançado graças ao trabalho e economia de toda uma existência. Este é um ato realizado, normalmente, uma ou duas vezes na vida, sendo raro quem domina as complexidades dessas transações.
Várias são as dúvidas que aparecem no momento de se adquirir o imóvel: qual o valor, tipo do imóvel e em qual local? Financiado ou não? Quanto dar de entrada? Novo ou antigo? Como será a transmissão da posse? Essas são só algumas das diversas questões que surgem neste momento. Se o imóvel está locado, a questão exige maiores cuidados, pois a posse do comprador exigirá procedimentos jurídicos que devem ser tomados antecipadamente, sob pena do comprador ter muitos aborrecimentos e até prejuízos com um processo judicial que poderia ser evitado, caso tivesse tido uma consultoria jurídica especializada. Contudo, após a decisão de se adquirir este precioso bem, a ansiedade costuma ser tão grande que o comprador deixa de analisar com o devido cuidado o contrato de promessa de compra e venda.

Todos os dados e circunstâncias devem ser analisadas

O contrato de compra e venda do imóvel é o documento mais importante da negociação, pois deve conter todas as condições do negócio. Somente profissionais especializados em negócios imobiliários, ao ter contato com as partes para apurar todos os dados e documentos, para elaborar as cláusulas mediante indagação do desejo do comprador ou vendedor, são capazes de perceber se o negócio é sadio ou se há algum problema. É nesse momento que o especialista faz a diferença, pois ele não deixa uma dúvida sem solução. Se o comprador ou o vendedor não dominar as complexidades da transação deve buscar uma assessoria jurídica para defender seus interesses. Não se deve esperar que o corretor de imóveis levante questões polêmicas que podem inviabilizar a transação, pois sua remuneração depende do fechamento da venda. Se o comprador ou o vendedor refletisse que um processo judicial ou rescisão pode acarretar um prejuízo em torno de 30% do valor do imóvel, concluiria que a contratação de um advogado especializado para assessorá-lo previamente, que não tem sua remuneração atrelada à conclusão do negócio, consiste num fator de economia e tranquilidade.

Modelos de contrato induzem a falhas

Normalmente, se utilizam modelos de contratos de compra e venda que não contemplam diversas situações, que acabam por gerar dúvidas, litígios ou prejuízos. Os corretores são fundamentais, pois possuem informações sobre o mercado para promover o entendimento entre vendedores e compradores, que sem intermediação acabam não chegando a um acordo. São eles as “molas propulsoras” na viabilização dos negócios. Porém, não é justo cobrar do corretor que ele domine questões judiciais como penhora, execução, inventário, capacidade das partes, locação, etc.
Os modelos de contrato acabam por induzir os contratantes a erro, pois desestimulam a necessária indagação e o aprofundamento que cada caso requer. Raramente um negócio imobiliário é igual ao outro. Uma palavra pode mudar todo o contexto de um contrato, sendo difícil uma pessoa inexperiente atentar para isso. Entre estas variáveis destaca-se a documentação, o estado do imóvel, a forma de pagamento e transferência da posse, a rescisão, a multa entre outras.

A força do contrato

Consiste num equívoco dar valor apenas à escritura e ao registro imobiliário. A lei determina que não tendo sido pactuada a possibilidade de arrependimento, depois de pago sinal, caso o vendedor se arrependa ou se recuse a assinar a escritura, poderá o comprador exigir em juízo a escritura em seu nome, bastando que pague o valor contratado, mesmo contra a vontade do vendedor arrependido.
Portanto, é fundamental as pessoas compreenderem o alcance das cláusulas contratuais para que realizem transações mais seguras e lucrativas.

23-08-17

Kênio de Souza Pereira
Diretor da Caixa Imobiliária Netimóveis
Presidente da Comissão de Direito Imobiliário da OAB-MG.
Colunista da Rádio Justiça do Supremo Tribunal Federal e do Boletim do Direito Imobiliário
Tel. (31) 2516-7008 – e-mail –kenio@keniopereiraadvogados.com.br

Colunista / Colaborador da 2/1 Revista Eletrônica

A imagem pode conter: 1 pessoa, área interna
0 0 1810 24 agosto, 2017 Fique Por Dentro agosto 24, 2017

Sobre o autor

CEO e Co-fundador da 2/1 Revista Eletrônica, Relações Corporativas, Ombudsman, atuou no Jornal O GLOBO (GRUPO GLOBO), Diário da Tarde (Diários Associados), Pohlig Heckel do Brasil (Grupo Belgo Mineira) e Diretor de Relações Públicas do Rotary Club

Ver todos os artigos por Jean Hausemer

Postagens relacionadas

Artigos recentes

  • Opinião: A guerra pervertida e sem rumo na Síria
    Opinião: A guerra pervertida e sem rumo na Síria
  • O Brasil na imprensa alemã (21/02)
  • Brasil piora 17 posições em índice global de corrupção
  • O Musical da Bossa Nova
  • Meliá oferece até 30% de desconto em hotéis no Caribe para o feriado da Páscoa
  • Souchic: 11 looks estilosos para você arrasar!
  • NEOMANUAL – ENSINO DE ARTE E CULTURA