Alemanha – Opinião: Helmut Kohl foi um grande estadista
Publicado por

Alemanha – Opinião: Helmut Kohl foi um grande estadista

 
Chanceler federal defendeu tanto a reunificação de seu país como a integração europeia, e isso fez dele uma personalidade especialmente respeitada e valorizada no exterior, opina Alexander Kudascheff.
Helmut Kohl zu Arbeitsbesuch im Kaukasus (picture-alliance/dpa)
 
Kohl com Gorbatchov em julho de 1990 no Cáucaso
 
Helmut Kohl foi o chanceler da unidade alemã e também europeia. Ele ocupou o cargo de chanceler federal alemão por 16 anos, e durante um quarto de século foi presidente da União Democrata Cristã (CDU) – só isso já mostra uma perseverança incrível, uma influência estupenda, uma vontade de aço pelo poder, mas também sorte democrática nas eleições. Kohl foi eleito chanceler quatro vezes, um impressionante desempenho político.
 
Como aparentemente eterno líder da CDU, seu faro para mudanças em suas próprias fileiras e sua desconfiança em relação a correntes críticas eram lendários. Aliás, quando em nome da sobrevivência política ele lutou para ser presidente do partido, em 1989, o fim da Cortina de Ferro veio em sua ajuda. E Kohl aproveitou, para si e pela Alemanha, a oportunidade que surgiu com a queda dos regimes comunistas. Ele fez história. Ele aproveitou a janela da oportunidade histórica. Naqueles meses, Kohl se tornou um estadista.
Kudascheff Alexander Kommentarbild App
 
Sem dúvida, Kohl é o chanceler da unidade alemã. Ele foi o político que passou por cima de hesitações, medos, reservas internas e externas – e que, em novembro de 1989, almejou a unidade alemã e a realizou, finalmente, em 3 de outubro de 1990. Ele mostrou instinto político e histórico naquele momento. Por isso algumas pessoas o consideram o Bismarck do século 20.
 
Kohl não foi apenas um patriota alemão que proveitou a dádiva da mudança histórica na Europa Oriental. O chanceler foi também um europeu convicto. Um político que, durante 16 anos, e em incontáveis cúpulas europeias, esteve sempre pronto a promover a unidade. Isso se aplicou à velha Comunidade Europeia, à emergente União Europeia e às perspectivas de adesão dos países da Europa Central e Oriental, o que se realizou somente em 2004.
 
Mas o que torna crucial sua posição como estadista europeu foi o fato de Kohl ter sido cofundador da moeda comum, o euro. Porque, ao pensar em termos históricos, ele percebeu que apenas uma moeda comum e o fim do forte marco alemão poderiam ajudar a superar ressentimentos na França, no Reino Unido e em outros países da UE. Uma decisão correta, que tornou a unificação do velho continente irreversível.
 
Kohl foi um estadista. Foi um político que defendia tanto a reunificação alemã como a unificação europeia. Um homem cuja personalidade não se deixava abalar, que reconhecia e realizava o que era certo. Isso fez dele, independentemente de muitas críticas atuais na Alemanha, um político especialmente respeitado e valorizado no exterior.
 
O jornalista Alexander Kudascheff é ex-editor chefe da Deutsche Welle.

 

Autoria Alexander Kudascheff
Fonte: Deutsche Welle
0 0 1020 17 junho, 2017 2por1, Fique Por Dentro junho 17, 2017

Sobre o autor

CEO e Fundador da 2/1 Revista Eletrônica, Relações Corporativas, Ombudsman, atuou no Jornal O GLOBO (GRUPO GLOBO), Diário da Tarde (Diários Associados), Diário do Comércio, Pohlig Heckel do Brasil (Grupo Belgo Mineira) e Diretor de Relações Públicas do Rotary Club.

Ver todos os artigos por Jean Hausemer

Postagens relacionadas

Artigos recentes

  • Agência alemã para refugiados acusada de irregularidades
    Agência alemã para refugiados acusada de irregularidades
  • Cotação do real em relação ao euro e ao dólar
  • Campanha contra “detetives da previdência” mobiliza suíços
  • Dez morrem em protestos contra reforma da previdência na Nicarágua
  • Loja colaborativa e aceleradora de pequenos empreendimentos locais, Mooca, lança marketplace online
  • Sempre Um Papo realiza a festa “São Jorge de Rosas e Livros” no dia 23 de abril, na Praça da Liberdade 
  • MINISTÉRIO DA CULTURA E BRADESCO SEGUROS APRESENTAM “CINDERELLA, O MUSICAL”